segunda-feira, 28 de julho de 2014

Gourmandisme no Japão!


As malas estão prontas (na verdade uma só...) para começar hoje à noite uma deliciosa viagem pelo Japão!!! Tokyo e Kyoto, aqui vou eu com minha câmera à tiracolo! O Gourmandisme ficará de férias por 2 semanas, mas o nosso InstagramFacebook receberão as novidades fresquinhas...

Então, para quem gosta de Facebook, corre lá: Gourmandisme por Bruna Leite

E para os fãs de Instagram@bruna_leite


sexta-feira, 25 de julho de 2014

O livro da minha bisavó e a receita de Broa de Milho para o meu irmão

Tenho só um irmão. Ele mora lá na minha cidade, Blumenau. Coincidência, ou não, ele é formado em gastronomia também. Ou seja, adora comida! Só que mesmo com a paixão mútua por gastronomia, ele nunca havia me pedido para cozinhar pra ele. Nada específico, pelo menos. Até o dia que ele me pediu para fazer Broa de Milho. Isso foi há mais de três anos... 

Sim, tenho ignorado sistematicamente o pedido dele há três anos. Não por falta de vontade, mas porque não tinha a menor ideia de como fazer Broa de Milho. Tenho certeza que nenhum dos meus livros de culinária francesa inclui uma receita assim. Então fui deixando...




Mas, as coisas estavam prestes a mudar... Eu herdei o livro de culinária da minha bisavó: o clássio "Receitas do Meu Lar", em sua 3a Edição, datada de 1947. Ele foi escrito por uma tal de "Sinhá Cecy", que garantia ter feito ela mesma todas as receitas! 

O livro tem de tudo, desde dicas para montar um "fogão auxiliar" para épocas de racionamento, passando por receitas de papinhas de bebê até cocktails para receber o marido no fim do dia. Uma pérola da história culinária brasileira! 

Mas além do livro, folheando cuidadosamente as páginas eu achei várias receitas anotadas em guardanapos, pedaços de papel, notas fiscais do supermercado. No meio disso tudo tinha uma receita de Broa de Milho. Retirei a erva-doce da receita, mudei um pouquinho as quantidades e aqui está, a receita do caderno da minha bisavó...




Broa de Milho

Ingredientes
1 lata de leite condensado
1 xícara de leite
100 g de manteiga em temperatura ambiente
1 colher (chá) de sal
2 xícaras de fubá
½ xícara de polvilho doce
2 ovos
1 colher (sopa) de fermento em pó

Como fazer
Misture o leite condensado, o leite, a manteiga, o sal e leve ao fogo médio. 
Assim que ferver, abaixe mais ainda o fogo e junte os ingredientes secos, menos o fermento.
Continue mexendo até começar a desgrudar da panela.
Passe a mistura para um bowl grande e adicione os ovos, mexendo bem.
Deixe esfriar um pouco e adicione o fermento.
A mistura ficará bem mole, então use forminhas para assar (eu usei essa aqui da Wilton).
Leve ao forno (220°C), por cerca de 20 minutos ou até que estejam douradas.



Mas a história não acaba aí... E para levar as broinhas, feitas com tanto amor e carinho, de São Paulo para Blumenau? Por sorte, tinha guardada há um tempo essa caixinha desmontada, com direito à lacinho e mini-cartão para dedicatória... 





Acabou sendo perfeita para levar no avião!




Acho que o mano gostou das broinhas, acabaram no dia seguinte...

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Os 8 produtos imperdíveis de Santa Catarina

Como já havia falado aqui, semana passada fui visitar a feira gastronômica SC Gourmet 2014 e participar do encontro de blogueiros de gastronomia. A feira tinha mais de 100 expositores apresentando novidades em produtos, bebidas e equipamentos.

Uma curiosidade antes de seguir, eu participei como imprensa da primeira edição da feira, lá em 2011. Naquela edição eu cozinhei com o Chef Emmanuel Bassoleil, provei pela primeira vez Bottarga e me apaixonei pelo queijo Gran Mestri




Já na edição 2014, 8 produtos em especial me chamaram a atenção. Garanto que vale a pena ficar de olho: 


1. Pão de Cacau do Chef Giuseppe Marino, coordenador do Curso de Gastronomia da Uniasselvi Blumenau 




2. Cachaças artesanais da Bylaardt de Luís Alves




3. Truta defumada da Marithimu's




4. Suco de uva e geleias da Di Creazzo




5. Café Gourmet da Colonial Café




6. Chocolate com Cranberry da Doce Beijo




7. Queijos artesanais da Queijo com Sotaque




8. Cervejas e Chopp da Zehn Bier





Já sobre o encontro de blogueiros, tenho que dizer, foi uma delícia bater um papo com leitores e tirar dúvidas do dia-a-dia na cozinha. Além disso, adorei conhecer a Dani do Cozinha Travessa, a Maria do DigaMaria, a Patty do Aqui na Cozinha, o Alê do Cuecas na Cozinha, a Tati do Panelaterapia e a Gisele do Receitas de Minuto.




Que venha a SC Gourmet de 2015!


terça-feira, 22 de julho de 2014

Arroz de Pinhão e o inverno

Para quem, como eu, é do Sul, pinhão é sinônimo de inverno! Lá onde as estações são bem definidas, a gente só consegue comprar a semente da Araucária quando o frio aparece. Não tem jeito de conseguir antes. E quando ele chega, é uma loucura! 

Primeiro a gente trata de comer o danado puro, cozido na água com sal e mais nada. Para matar a vontade logo. Depois a gente faz uma farofa com ele, para acompanhar nosso churrasco (ah churrasco no inverno é muuuito melhor do que no verão, viu?). E também aproveita para fazer um entrevero, prato típico lá da terrinha que leva vários tipos de carne, linguiças e mandioca.

E então o povo começa a usar a criatividade... Já ví salada de pinhão, molho branco com pinhão para acompanhar massas, sopa de pinhão e até pinhão com chocolate! Para ser sincera, não gosto de nada disso. A minha "receita criativa" com ele é só uma: arroz de pinhão!

Alguns detalhes da minha receita:

  • Deixe o arroz italiano de lado e use o arroz agulinha, o brasileiro mesmo
  • Substitua também o vinho branco por cognac. Vai dar mais sabor ao prato de inverno
  • Troque o caldo de legumes por de caldo de carne. Gosto do Caldo de Carneiro NOMU
  • Por fim, use cream cheese para finalizar o arroz de pinhão, ao invés da manteiga


Leva mais ou menos 30 minutos para ficar pronto, da preparação dos ingredientes até a finalização! Não tem desculpa para não fazer...




ARROZ DE PINHÃO

Ingredientes
2 colheres de sopa de manteiga
1 cebola, picada
1 xícara de pinhão cozido, picado
1 xícara de arroz agulinha
½ xícara de cognac
2 xícaras de água (pode precisar de mais, fique de olho)
2 colheres de sopa de caldo de carne, líquido
½ xícara de cream cheese
½ xícara de salsinha, picada
sal e pimenta


Como fazer
Derreta a manteiga e doure a cebola.
Acrescente o pinhão e logo em seguida o arroz.
Adicione o cognac e cozinhe até evaporar o álcool.
Entre então a água e o caldo de carne. Acerte o sal.
Cozinhe até o ponto desejado (se pinhão absorver muita água, acrescente mais).
Finalize com a pimenta do reino moída na hora, cream cheese e salsinha.
Sirva em seguida


Dica de apresentação
Desenhe no prato com um creme de balsâmico e coloque o arroz de pinhão por cima, centralizado. Finalize com um fio de azeite.




E viva o inverno!!!


sexta-feira, 18 de julho de 2014

Sexta de Compras: os livros essenciais para a cozinha gourmet

Toda cozinha gourmet que se preze tem alguns livros de culinária/gastronomia empilhados, certo? E para não fazer feio, tem que ter variedade. Esses aqui são os meus livros essenciais. Aqueles que abro sempre, que me inspiram e me salvam nos dias que a coisa "não vai"...




O livro do chef famoso

Pra mim, é o chef Gordon Ramsay. Que meu marido não veja isso, mas tenho uma paixonite aguda por esse chef. Acho ele gato, extremamente talentoso e charmoso demais.... Ai ai.... Bom, mas nem tudo são flores. 

Não gosto de quase nenhum livro dele, só esse aqui, o Gordon Ramsay's Great British Pub Food. É um livro mais velho (de 2009), feito por um britânico, para os britânicos. As receitas são diferentes de qualquer coisa que a gente encontre por aqui, fáceis e práticas de preparar e ainda vêm com uma notinha do chef. 





O livro do restaurante estrelado

É o meu tipo favorito de livro. Tenho de vários: NOMA (2 livros na verdade, mas é compreensível, né?), Faviken, DOM, Gramercy Tavern, Akelare, Eleven Madison Park. Comprei os livros depois de comer nos restaurantes e gostar muito. Com exceção de um: The French Laundry Cookbook.

Nunca comi no French Laundry (fica na Califórnia), mas o livro é perfeito. Inspirador e ao mesmo tempo possível. O livro é tão bom que hoje em dia é meu restaurante dos sonhos para conhecer. Quem sabe nas próximas férias, né?




O livro "cool"

A Kinfolk é uma revista independente trimestral americana. Ela lança uma nova edição a cada estação e geralmente tem essa estação como tema. A revista celebra a simplicidade da vida e das coisas que nos cercam. E boa parte dela é dedicada à gastronomia.

E eles gostam tanto de comida que resolveram lançar um livro, o The Kinfolk Table. Com inspiração escandinava, traz uma série de receitas simples, mas charmosas. Uma delícia de folhear. E de deixar em um lugar que suas visitas possam folhear. Afinal, é um livro "cool" demais!



O livro do seu ingrediente preferido

O meu é carne de porco. Amo tudo do porquinho. Então nada mais natural do que um livro que só fale disso, certo? O Pork & Sons cumpre bem esse papel, com ideias criativas para se deliciar com bacon e afins.

É daqueles livros que você engorda só de olhar...


O livro do seu prato favorito

Tortas. Eu amo fazer tortas. Todos os tipos, tamanhos e sabores. Há muito tempo procurava um livro que me inspirasse. Que trouxesse receitas novas e originais. Achei tudo isso no The Four & Twenty Blackbirds Pie Book




O livro-inspiração

Aquele livro para folhear, ler e reler. E ainda fazer as receitas! O escritor e blogueiro de gastronomia David Lebovitz é mestre em livros desse tipo, tenho outro dois dele. Mas o mais recente, My Paris Kitchen, é definitivamente o melhor! 

É o livro perfeito para ler quando você precisa de motivação para ir pra cozinha. Funciona comigo todas as vezes!