terça-feira, 15 de abril de 2014

Risoto para um: 7 razões para cozinhar só para você!

Eu amo cozinhar, em todos os lugares e a qualquer hora. Para dez pessoas ou só para mim. Mas tenho percebido que muita gente desanima em ir pra cozinha quando é para cozinhar para si mesmo. Acabam fazendo "qualquer coisinha"... Um sanduíche, miojo, esquentam o que tem na geladeira, etc...

Então, para dar aquele empurrãozinho, aqui vão as minhas 7 razões para cozinhar só para você:


1. Você pode cozinhar o que quiser...
sem levar em consideração as restrições de outras pessoas, só as suas!

2. Você vai acertar o sal de acordo com a sua preferência...
seja com zero sal ou com aquele sal extra!

3. Não tem hora para cozinhar, a comida sai quando você quiser...
pode ser um almoço às 14h ou um jantar à meia noite!

4. O que sobrar, é tudo seu para o dia seguinte...
por exemplo, o risoto abaixo vira um delicioso arancini um dia depois!

5. Menos louça para lavar...
rapidinho a cozinha está arrumada!

6. Se der errado, ninguém vai saber...
e você pode testar quantas vezes quiser até acertar!

7. Se der certo, Facebook e Instagram estão aí para isso...
portanto, cozinhe com o celular por perto!


E um risoto super especial para começar...



Risoto de porcini, bacon e mascarpone

Ingredientes
50g de bacon, em pedaços
1 échalote (ou 1/2 cebola roxa), picada
1/2 xícara de arroz arborio
50ml de cachaça branca
20g de cogumelos porcini secos, hidratados em água fervente (reserve a água)
50g de mascarpone
manteiga e sal a gosto

Como fazer
Comece dourando o bacon na manteiga. Acrescente as échalotes e quando estiverem douradas, o arroz.
Deglace com a cachaça.
Junte os cogumelos porcini hidratados e a água usada para hidratá-los (caldo caseiro instantâneo).
Continue acrescendo água até cozinhar o arroz completamente.
Finalize com o mascarpone e acerte o sal.
Sirva em seguida.


quinta-feira, 10 de abril de 2014

Muito prazer, Canadá!

Muito antes de eu assumir que cozinhar era a maior paixão da minha vida, eu vivia para outra coisa: viajar. Minha primeira viagem sozinha foi aos 11 anos, de Blumenau para Porto Seguro com o pessoal do colégio. Tudo bem que a minha tia era a guia e organizadora, mas ainda assim, fui sozinha. 

Na sequência veio a Disney aos 14 anos, antecipando meu aniversário de 15 anos em vários meses e abrindo mão de toda e qualquer festa de comemoração. Dois anos depois, meu intercâmbio para o Estados Unidos. Foram 6 meses fazendo "high school" no interior de Indiana. 

Depois disso foi uma atrás da outra... Quando conheci meu marido, então namorado, a coisa só piorou! Viajamos para todos os lados! Até comecei a organizar destinos que já fomos e futuros/prováveis roteiros em uma grande planilha de Excel. Mas sabe o lugar que nunca apareceu nos planos? O Canadá. Talvez por conhecer e gostar tanto dos EUA, nunca me preocupei em conhecer o vizinho de cima. Até este ano. 

Incentivada por uma nova grande amiga, lá do período que estudei em Paris, arrumei as malas disposta a encarar o frio e conhecer um pouco do país e da cultura. E da gastronomia, principalmente. 


ICEWINE



O Canadá tem seu próprio vinho. Você sabia disso? Ele se chama Icewine (algo como Vinho do Gelo, em tradução livre). Ele é um vinho de sobremesa feito com as uvas congeladas, leve e muito saboroso. Nunca tinha visto uma vinícola completamente coberta de neve, e é lindo...


LAGOSTAS

Foto do meu Instagram

É assim que se compra lagosta (ou homard para os francofones) no Canadá: no supermercado, ainda bem vivas, embaladas em uma prática caixinha de papelão. E como cozinhar? Para os de coração mole, de cinco a sete minutos em água fervente resolvem o problema. Para os corajosos, uma faca afiada no meio da "testa" da lagosta. 

A diferença é simples, na água fervente cauda e patas cozinham por tempo igual, o que não é bom. Dado que a cauda precisa de sete minutos, e as patas de cinco, uma das duas partes não ficará perfeita. Já com o método da faca, a lagosta é desmembrada antes de cozinhar, permitindo controlar totalmente o tempo de cada parte. Na minha opinião? Faca!




E para quem acha que só lagosta é pouco, ostras e vieiras são outras delícias encontradas vivas facilmente em qualquer supermercado pelo Canadá...


QUEIJOS

                                                                                                                                                                             Foto do meu Instagram

Mais uma surpresa: canadenses AMAM queijos! E por gostarem tanto, aprenderam a técnica com os franceses que colonizaram uma parte do país, adaptaram para os animais locais e hoje fazem um dos melhores queijos que já experimentei. Acho que essa foto, tirada aqui em casa no dia em que voltei de viagem, traduz bem como eu gostei dos laticínios canadenses...


MAPLE SYRUP (ou xarope de bordo)


Esse é o produto nacional do Canadá. Para os curiosos como eu, um resumo do processo de produção. O líquido é extraído da árvore de Maple por pequenas cânulas, levado por uma rede de canos para uma grande "panela", reduzido a somente 20% do seu volume inicial (concentrando assim os açúcares e dando a consistência de xarope), embalado e vendido em lojas familiares como essa, na entrada da fazenda. 








Sempre fui muito fã de maple syrup, até mesmo das versões diluídas em água que chegam por aqui. Mas depois de provar o sabor da versão 100% maple syrup, não resisti. Estou viciada! Tenho usado em tudo: fica absolutamente perfeito misturado no leite ou com bacon no café da manhã, com vieiras grelhadas, em qualquer cocktail com champagne, marinando asinhas de frango, em qualquer prato com porco, para dourar cenouras ou beterrabas, cobrindo bananas no micro-ondas por 2 minutos... 


POUTINE



O grand finale! Eu, em minha ignorância gastronômica, nunca tinha ouvido falar em poutine. Nenhuma foto, nenhum depoimento de quem experimentou, nada! Foi graças à minha querida amiga Jacqueline e seu adorável marido Stefan, que hoje essa delícia faz parte da minha vida!

Aqui está a receita passo-a-passo da versão preparada por ela especialmente para mim... 


1 - Comece com batatas-fritas feitas em casa


2 - Adicione pedaços de lagosta cozida


3 - Cubra com pedaços de queijo cheddar, ou outro de sua preferência


4 - Acrescente um molho de carne reduzido, ao ponto quase cremoso, e um fio de azeite trufado



Agora são 5 minutos em forno pré-aquecido a 180o graus e pronto!


-------------------------------------------------------------------------


Bom, naturalmente o Canadá tem ainda muito mais a oferecer, eu conheci uma pequena parte em poucos dias. Mas o que eu posso dizer é que estou louca para conhecer mais desse país que quietinho, na dele, consegue ter uma das gastronomia mais surpreendentes, baseada em produtos frescos e locais, que conheci ultimamente...



segunda-feira, 10 de março de 2014

O tal do "hotdog de lagosta"

Há algumas semanas fui conhecer um novo (para mim) restaurante aqui perto de casa, o Fisherman's Table. Eu confesso que estava ansiosa para ir lá pois é dos mesmos donos do Butcher's Market, um dos meus favoritos na cidade. E numa das raras vezes em que a curiosidade e antecipação não estragam a experiência em si, adorei!

O menu, como o nome já diz, é baseado em frutos do mar. E fazendo valer o nome internacional, as influências vêm de toda parte! Fica até difícil escolher... (um menu degustação não seria má ideia) Mas, os atenciosos garçons estão lá para ajudar nesta árdua tarefa. A primeira sugestão? Hotdog de lagosta

Sim, você leu certo. Mas não pense que é uma salsicha feita de lagosta. Trata-se da versão nacional do famoso sanduíche "Lobster Roll" americano. A semelhança com o nosso tradicional cachorro-quente fica só no pão mesmo. Lagosta e manteiga são as estrelas. Mas, tudo tem seu preço nessa vida. 

Com um valor de R$ 53 por sanduíche, não consegui tomar coragem para testar no restaurante. Só em casa! Um pouquinho de pesquisa aqui, uma ida ao hortifrutti ali, e cheguei à minha versão do Lobster Roll. E ainda pela metade do preço... 



Lobster Roll

Ingredientes
2 caudas de lagosta (ou cavaquinha, tem o mesmo efeito)
2 talos de salsão, sem pele e cortado em pequenos cubos
um punhado de estragão fresco, picado
maionese
manteiga
brioche

Como fazer
Faça o molho com o salsão, estragão e maionese. Reserve refrigerado.
Esquente os brioches no forno.
Corte as caudas em rodelas e doure na manteiga. Tempere com sal.
Monte os sanduiches com o molho primeiro e os pedaços de lagosta por cima.


domingo, 16 de fevereiro de 2014

No aniversário de três anos já pode ter retrospectiva?

Fevereiro de 2011. Eu tinha acabado de tomar a decisão de mudar de carreira. Tinha deixado para trás o Direito, um emprego formal e a certeza de uma profissão sólida. Estava determinada a fazer da minha paixão pela cozinha uma profissão tão séria quanto a de advogada.

Resolvi começar a escrever um blog e fazer o curso de técnicas da Accademia Gastronomica, aqui perto de casa. No fim do ano, tinha 318 receitas publicadas no Gourmandisme e um pouquinho mais de conhecimento da área. Mas eu queria mais.


Fevereiro de 2012. Recebo a carta de aceitação da Le Cordon Bleu Paris. Passei o mês inteiro correndo atrás do visto, alugando apartamento, pesquisando passagens, etc. Por quase um ano tive uma das melhores experiências da minha vida.

Fui testada, diariamente. Chorei muito, literalmente. E vivi, intensamente. Aprendi tudo que os franceses podiam me ensinar. Tanto na escola, quanto no dia-a-dia. Passei a ver a comida, e tudo que a envolve, como uma parte importante e essencial da minha vida, mas ao mesmo tempo natural. Afinal, no fim do dia é só comida, como já dizia Marco Pierre White.

O Gourmandisme teve menos posts nesse ano, somente 105. Mas a qualidade aumentou. Além de receitas mais estruturadas, várias dicas do melhor de Paris!


Fevereiro de 2013. Chega meu visto para a Dinamarca. Fui selecionada dentre centenas para estagiar no então melhor restaurante do mundo, o Noma, sob o comando de René Redzepi. Frio na barriga é pouco! Tinha certeza que não daria conta do recado, já estava conformada com a ideia de ir e voltar logo em seguida. Ledo engano...

Foi só o tempo de acertar meu sono, alugar uma bicicleta e me adaptar à rotina de 18 horas de trabalho por dia! Passei a trabalhar somente na cozinha de serviço, a ter minhas funções diárias, a levar e apresentar pratos para os clientes, a fazer "tours" com eles no fim de cada almoço/jantar, enfim, era parte daquilo. Se antes eu estava apaixonada pela cozinha, agora veio a certeza do amor pra vida toda.

Lógico que quando se está tão feliz o tempo voa! Chegou a hora de voltar. E voltei direto para o DOM, para aprender com Alex Atala os bastidores do melhor restaurante do Brasil. De lá para o Vito foi um pulinho. Aprendi com o André Mifano como se faz cozinha italiana de qualidade, o que a minha formação francesa não me ensinou!

Já o Gourmandisme ficou de lado boa parte desse ano, mas não totalmente esquecido. Foram 27 posts. Todos feitos com muito carinho, nos raros momentos de folga.


Fevereiro de 2014. Vários projetos tomando forma. Novas ideias e parcerias surgindo. Contratos sendo assinados. Um caminho novo que junta tudo isso que vivi nos últimos três anos. Logo logo as novidades, que incluem um merecido foco no Gourmandisme, aparecerão por aqui!


E para marcar mais um ano nessa história, tinha que ter chocolate. E Nutella. Não é?



Muffins-brownie de Nutella

Ingredientes
1 xícara de manteiga, amolecida
1 xícara de açúcar
1 xícara de açúcar mascavo
2 colheres de chá de extrato de baunilha
4 ovos grandes, em temperatura ambiente
1 xícara de farinha de trigo
3/4 de xícara de cacau em pó
1/2 colher de chá de fermento em pó
1 xícara de nutella (amolecida por 1 minuto no micro-ondas)

Como fazer
Misture manteiga, açúcares e baunilha. Acrescente os ovos um a um.
Adicione então farinha, cacau, fermento e nutella.
Asse em forno pré-aquecido a 180o graus por 30 minutos.


quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Tomates verdes fritos. E outras saladas

Essa última semana foi, no mínimo, peculiar. Só fiz salada! E não pensem que tem a ver com a dieta da vez, reeducação alimentar, suco verde e afins. Não sou chegada nisso não. Eu gosto demais de comida para topar fazer qualquer uma dessas coisas.

O que aconteceu, na verdade, foi que me dei conta de que não sei fazer saladas de dia-a-dia. Sabe aquela que você tira da manga rapidinho para um jantar com a amiga em casa? Ou aquela para a segunda-feira de ressaca dos churrascos do fim de semana? Ou ainda aquela para uma quinta-feira pré-final de semana na praia? 

Então, com isso em mente, fui procurar inspiração e acabei com essas três saladas. Todas adaptadas e/ou simplificadas por mim para ficarem prontas em 20 minutinhos. Problema de repertório prático para o dia-a-dia resolvido! 



Tomates verdes fritos


Ingredientes
1/2 xícara de polenta pré-cozida
1/2 xícara de farinha de trigo
1 ovo, batido com duas colheres de água
2 tomates verdes, cortados em rodelas
200g de queijo de cabra, em pedaços pequenos
cebolinha picada para decorar (esqueci de colocar na foto)
óleo para fritar
folhas verdes para acompanhar (aqui temperadas com azeite e balsâmico)

Como fazer
Passe os tomates, temperados com sal e pimenta, na farinha, ovo e polenta.
Frite em óleo quente.
Sirva com as folhas verdes e o queijo de cabra.
Ao contrário de mim, lembre de decorar com a cebolinha!





Pimentão com Atum

Ingredientes
4 pimentões, sem sementes e assados a 180 graus com azeite por 1 hora
1 lata de atum em conserva
2 colheres de sopa de alcaparras
3 colheres de sopa de maionese
2 colheres de sopa de manjericão picado
1 colher de chá de mostarda Dijon
1 colher de chá de vinagre de vinho branco
azeite de oliva, pimenta d'Espelette e sal para temperar
folhas verdes para acompanhar

Como fazer
Misture o atum, alcaparras, maionese, manjericão, mostarda e vinagre.
Tempere com o azeite, pimenta e sal.
Recheie os pimentões e sirva sobre as folhas verdes.




Ratatouille

Ingredientes
1/2 cebola, cortada em cubos
1 abobrinha, cortada em cubos
1 berinjela, cortada em cubos
1/2 queijo minas, cortado em cubos
azeite de oliva, tomilho, sal
folhas verdes para acompanhar

Como fazer
Comece dourando as cebolas no azeite, com o tomilho.
Em seguida acrescente a abobrinha e após uns cinco minutos, a berinjela.
Por fim, o queijo. Acerte o sal e sirva em seguida.