sexta-feira, 29 de abril de 2011

Aprendendo a fazer pão

Sempre quis aprender a fazer um bom pão caseiro, no melhor estilo boulangerie francesa. Mas sempre achei que seria difícil demais... Até que resolvi fazer algo a respeito: um curso de 2 dias com o chef francês Jean-Louis Clément, membro da conceituada Ecole Lênotre.

Fiquei sabendo do curso quando fui conhecer a Boutique Gourmet Marie-Madeleine e não tive dúvidas, me inscrevi! Ele aconteceu nos dias 12 e 13 de Abril e foi uma delícia! Se bem que, passar dois dias fazendo e provando pães deliciosos, com muita manteiga para acompanhar, não poderia ser ruim, não é?

Um pouco do curso...




Ao todo, foram 7 receitas de pães e 5 receitas de petit-fours (bolachinhas). Teve pão com azeitona, rústico, de centeio, madeleines, sablé de nozes, dentre outros. Uma grande surpresa foi a versão francesa da focaccia italiana, redondinha, ao invés de retangulares:



Focaccia de Tomate e Azeitona 

Ingredientes
400g de farinha de trigo (tipo 55, se possível)
200g de água
100g de azeite
10g de sal refinado
20g de fermento fresco
40g de tomate confit (assado e picado)
20g de azeitona preta sem caroço
Flor de sal

Como fazer
Dissolver o fermento em um pouco de água e azeite.
Na batedeira, misturar a farinha, colocando aos poucos.
Após bater 2 minutos, acrescentar o sal e bater por mais 5 minutos.
Acrescentar o tomate e a azeitona e bater até misturar bem.
Faça uma grande bola com a massa e deixe descansar por 1 hora.
Sove um pouquinho e coloque nas forminhas, conforme foto acima.
Deixe descansar por mais 40 minutos, para fermentar.
Pré-aqueça o forno a 170°C.
Coloque a flor de sal por cima e leve para assar por 25 minutos.


Até que não foi tão difícil...


UPDATE: algumas pessoas me escreveram pedindo alternativas para as forminhas. Como são apenas para moldar, corte tiras de cartolina de 5cm de largura por 20cm de comprimento e grampeie as pontas, formando um círculo.

Madeleine, madeleine!

Esse bolinhos franceses são minha perdição. Tão saborosos, são perfeitos a qualquer hora do dia, rápidos e práticos para fazer. Até hoje não conheci uma pessoa que não gostasse! Infelizmente ainda não são muito populares por aqui, mas se depender de mim...

Um pouquinho de história... Um rei polonês do século XVIII, que passava seus verões em um château francês, quis impressionar o iluminista Voltaire com um doce inédito. Para isso, pediu a sua cozinheira Madeleine que o inventasse. Ela usou bergamota para perfurmar os bolinhos que logo conquistaram a filha do monarca, casada com Louis XV, e toda a corte de Versailles.

Para fazê-los em casa e conquistar todo mundo também, não é nada difícil! Basta ter as forminhas, que você pode achar em téflon ou silicone, eu particularmente prefiro a última. A livraria gourmet Cook Lovers vende um kit com forminhas e livro de receitas e entrega no Brasil todo.




Mini Madeleines au Miel

Ingredientes
150g de açúcar
2 ovos
150g de farinha de trigo peneirada
1 colher de chá de fermento em pó
125g de manteiga amolecida
2 colheres de sopa de leite
2 colheres de sopa de mel

Como fazer
Misture os ovos com o açúcar, até ficar uma mistura esbranquiçada.
Vá juntando a farinha peneirada com o fermento aos poucos, em seguida a manteiga e o leite.
Adicione o mel e leve ao refrigerador por 30 minutos.
Pré-aqueça o forno a 220°C e unte as forminhas com manteiga.
Coloque um colher de chá de massa em cada (aprox. 1/3 da capacidade).
Leve ao forno por 3 minutos, para ficarem douradas e crocantes por fora.
Em seguida, abaixe o forno para 180°C e deixe mais 5 minutos, para assar por dentro.
Retire do forno e espere uns 5 minutos antes de desenformar.


obs.: o tempo de assar pode variar de forno para forno. Para garantir, eu literalmente sento na frente do forno e fico cuidando.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Chocolate gourmet

Semana depois de feriado é sempre uma tristeza... Me sinto super culpada em fazer pratos gordos, elaborados e acabo abusando das sopas e saladas! E por mais que pareça fácil, é totalmente contra minha natureza. Gosto mesmo é de manteiga, creme de leite, carnes vermelhas, batatas, tortas, enfim... 

O que importa é que eu estava indo bem no meu controle, até ontem... Meu presente de Páscoa atrasado chegou, e o marido sabe muito bem como me agradar: caixa de degustação com 6 ovos da Sara Accioly Chocolatière
As delícias:

Ovinho Prata - Bière
GANACHE DE CERVEJA LONDRINA ALE COM CHOCOLATE JIVARA 40% DE CACAU



Ovinho Roxo - Pruneaux
GANACHE DE AMEIXAS E VINHO DO PORTO  


Ovinho Amarelo - Brigadeiro
BRIGADEIRO BELGA FEITO COM CACAU EXTRA BRUT
Ovinho Laranja - Marzipan
DELICADO MARZIPAN FEITO COM AMÊNDOAS DA PROVANCE  

Ovinho Ouro Velho - Madeleine
GANACHE DE PÊRAS WILLIAMS E ALECRIM
Ovinho Verde - Chèvre
GANACHE DE QUEIJO DE CABRA COM LIMÃO SICILIANO


Claramente não resisti... Já provei o Ovinho Verde e posso afirmar que foi um dos melhores chocolates que já comi... A combinação do queijo de cabra e limão siciliano já é por si só inusitada, recheando um ovinho de chocolate então...Incrível! Só sei que não vejo a hora de experimentar os outros!!


Acaba logo semana de regime!!  


Jantarzinho atrasado

Hoje, não sei porquê, me atrapalhei com o horário e o jantar acabou saindo tarde, depois das 22:30h! Na sequência, assisti ao jogo do Flamengo com o marido e quando me dei conta já passava da meia-noite! Mas, antes tarde do que nunca... Segue o jantarzinho de hoje, simples e prático, mas muito charmoso!

Gosto muito de escalopes de vitelo. São saborosos, leves e ficam prontos rápido. Além de fugirem do tradicional. Sempre tenho um pacotinho no congelador, para dias atrapalhados como hoje...




Escalopes de Vitelo ao Molho de Tomates

Ingredientes
4 escalopes de vitelo
farinha de rosca para empanar
1/2 cebola picada
2 dentes de alho picados
1 lata de tomates pelados, passados no processador
azeite, manteiga, sal e pimenta a gosto

Como fazer
Doure a cebola no azeite, acrescente o alho e na sequência os tomates.
Deixe ferver, abaixe o fogo e acerte o tempero. Reserve.
Tempere os escalopes com sal e pimenta, e passe na farinha de rosca.
Doure na manteiga, aproximadamente 2 minutos de cada lado.
Sirva quente, com o molho de tomates por cima.


Acompanhamento: servi batatas assadas (40min em forno a 180°C) com manteiga por cima.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

10 Queijos para provar já!

Ando fascinada com o livro 1001 Comidas para Provar Antes de Morrer (em promoção na Americanas.com). É uma enciclopédia gastronômica super completa que me deixa babando e morrendo de vontade de provar tudo!

O legal do livro é que são listados tanto ingredientes raros e difíceis de serem encontrados por aqui, como também produtos do nosso dia a dia, que às vezes passam despercebidos. Para começar a maratona de degustações inspirada no livro: queijos!

Essa é minha lista de favoritos:

Mascarpone

Italianíssimo, diz a lenda que seu nome vem da expressão "mais do que bom". Feito do leite de vacas criadas soltas em pastos, ele é muito cremoso e suave.

Eu não tinha o costume de comprar este queijo, pois achava que seu uso era apenas para o famoso tiramisu, e que estragaria fácil na geladeira. Mas, felizmente, arrisquei comprá-lo e agora não vivo sem! Qualquer risoto fica uma delícia quando finalizado com ele, especialmente o de abóboras e bacon.


Emmental

Suíço, pode chegar a pesar até 113kg! Facilmente reconhecido por seus buracos, ele é doce e suave, se comparado a outros queijos de vaca.

Ainda não sei se gosto mais de comê-lo puro ou em pratos, mas a certeza é que sempre tenho um na geladeira. Se for comer puro, eu o retiro da refrigeração umas 2 horas antes. Se for para cozinhar com ele, uso em suflês, especialmente os de legumes.


Gruyère

Também suíço, primo próximo do Emmental, possui as mesmas características no paladar, porém, fisicamente ele não apresenta os buracos.

Apesar de ser um dos meus favoritos, dificilmente eu o como puro. Gosto de usá-lo em pratos gratinados ou assados, pois nenhum queijo fica tão bom quanto ele, bem douradinho e mantendo a textura, como na quiche de abobrinha e bacon.


Cheddar

Apesar de ser famoso entre os americanos, esse queijo é inglês. Ele tem uma forma peculiar de produção: o coalho fresco cortado em blocos é empilhado e reempilhado várias vezes para perder o soro através do seu próprio peso.

Ele combina muito bem com batatas assadas e em tortas. Confesso que ainda uso
pouco esse queijo na cozinha, mas estou com algumas receitas mexicanas para botar em prática e ele será perfeito!


Parmigiano Reggiano

Este é outro grande italiano, famoso mundo afora, e que foi favorito de Napoleão. Ele é classificado como grana, que traduzindo do italiano, significa grão. Você percebe facilmente estes grãos quando o consome em pedaços.

A versão nacional é o parmesão, vendido já ralado em pacotinhos, mas que deixa a desejar, se comparado ao original. Uma alternativa que satisfaz muito bem é o Gran Formaggio da Randon. Ele é produzido no Rio Grande do Sul com técnica e matéria-prima italianas. Compre em pedaços para comer puro ou ralar na hora de utilizar.


Manchego

Espanhol da região de La Mancha, ganhou este nome por ser feito em uma região com pouquíssima água. Sua base é o queijo de ovelhas e o sabor muda muito de acordo com a idade. Suave e doce aos dois meses, seco e complexo com um ano e marcante com dois anos.

Ele é muito usado em bares de tapas na Espanha. Em casa, eu o uso tanto para comer puro, quanto cortado em fatias fininha em saladas ou em pratos como o Bolinho de Queijo e Pimenta.


Pecorino Romano

Notadamente italiano, este é um dos queijos mais antigos ainda em fabricação. É feito com leite de ovelha, que em italiano é pecora. Leva até 12 meses para maturar completamente!

Apesar de ficar ótimo ralado sobre massas e saladas, gosto dele em lascas finas com mel por cima...


Roquefort

Diz a lenda que um jovem pastor francês deixou sua refeição, composta de pão e queijo de ovelha, em um porão para ver sua amada. Quando voltou, ambos haviam mofado, mas ficado deliciosos! Lenda ou não, este é basicamente o processo de produção do queijo até hoje.

Por ser produzido com leite de ovelha, é mais intenso. Prefiro utilizá-lo com carnes, ao invés de puro.


Gorgonzola

Já este aqui, apesar de ser produzido da mesma forma, é italiano e leva como matéria-prima o leite de vaca. Por isso, ele fica um pouco mais suave na boca do que o primo acima.

Uso em praticamente tudo: quiches, sopas, puro, etc...

Serra da Estrela

Deixei o melhor para o final... Por esse queijo, eu desistiria de todos os outros, se precisasse! Afinal, um queijo suave, com paladar adocicado que lembra um caramelo, aroma intenso e textura cremosa e macia, para comer com colher, merece total devoção!

E se não bastasse a perfeição a cada colherada, ele ainda é produzido artesanalmente, com ovelhas de lã negra raras e embalado em uma gaze especial. Para consumí-lo basta cortar e remover a casca no alto do queijo, como se fosse uma tampa. Vale cada centavo...




Extra

O francês Brie não está na lista dos 1001 para provar, mas não poderia deixá-lo de fora. Ainda mais depois de assá-lo em massa folhada, fiquei dependente dele!


Alguém gostaria de acrescentar mais algum?




terça-feira, 26 de abril de 2011

À francesa...

Cozinhar e servir um alimento embrulhado em papel alumínio (também serve o papel manteiga) é chamado de cozimento en papillote, para os franceses, e in cartoccio, para os italianos.

Além de ser uma técnica saudável, pois mantém os aromas e nutrientes dos alimentos, é chique (os restaurantes adoram), pois ao abrir o papillote na mesa, todos os aromas são exalados de forma concentrada, deixando qualquer um salivando!!  

E para quem, como eu, cozinha em casa, não faz bagunça nenhuma... Foi um jantar rápido e delicioso, para dormir cedo e recuperar as energias!



Papillote de Robalo com Farofa de Camarão

Ingredientes
4 postas de robalo
1/2 pacote de cenouras baby
1/2 cebola picada
100g de camarão rosa
1 banana nanica, cortada e cubinhos
150g de farinha de mandioca
sal, pimenta, margarina e azeite a gosto
papel alumínio ou manteiga

Como fazer
Papillote
Pré-aqueça o forno a 180°C.
Separe duas folhas de papel alumínio e dobre-as ao meio.
Tempere as postas com sal e pimenta e acomode-as, aos pares, em uma metade da folha.
Regue com azeite e coloque as cenouras ao lado.
Feche bem e asse por 15 minutos.

Farofa
Doure a cebola na margarina (gosto da Qualy), acrescente o camarão e em seguida, a banana.
Mexa por 5 minutos e vá acrescentando a farinha aos poucos.
Tempere com sal e pimenta a gosto.

Sirva a farofa em um pote à parte, no mesmo prato do papillote.



Bon Appetit!

Um pouco de jazz...

Há muito tempo queria conhecer uma certa cidade americana, famosa  pela culinária, e nesse último feriado consegui! Aqui está um pouco de New Orleans, no estado de Louisiana...


Fundada por franceses no século XVIII, dominada por espanhóis no século XIX e finalmente comprada pelos americanos, New Orleans é uma mistura de culturas que agrada muito bem quem gosta de novidades na cozinha. Uma combinação única de pimentas (o Tabasco nasceu em uma cidade vizinha), heranças européias e frutos do mar (muitas ostras, lagostins e camarões).  

Mas para entender melhor a cidade e sua cozinha, em resumo, as duas principais influências:

Creole
Mistura de culturas francesa, espanhola, portuguesa e africana. Lembra muito os clássicos europeus, mas adaptados com os ingredientes locais.

Gumbo, uma espécie de ensopado de frutos do mar, pode ter sido derivado da bouillabaisse francesa.
Jambalaya, muito parecida com a paella espanhola, também leva carnes, legumes e arroz.
Torta de Nozes,  a mistura de glucose de milho e nozes pecan é invenção dos imigrantes franceses.  

Cajun 
Herdada dos fundadores da cidade, os franco-canadenses. Aqui os pratos já são mais rústicos, adaptados do estilo provençal francês. O prato principal é cozinhado geralmente em uma única panela, sempre acompanhado de arroz.

Essa duas cozinhas se misturam muito, tanto que alguns pratos creole, preparados de forma mais rústica e com bastante pimenta, acabam virando cajun. 

De uma forma ou de outra, a comida em New Orleans é tão boa que eu tratei de trazer um livro com todas as principais receitas!! Nos próximos dias vou começar a colocar em prática...


  

Enfim, eu sei que pode parecer uma cidade só para gourmands, mas não é! Os fãs de boa música (jazz, jazz, jazz), arquitetura (predomina a colonial) e agito (festa toda noite) ficarão igualmente encantados!

Algumas informações práticas:

Chegar em New Orleans
Como não existem vôos diretos, você precisa fazer conexão em Miami, Washington ou Houston (se puder escolher, vá por Houston, é a mais próxima). 

Ficar em New Orleans
A área mais legal é o French Quarter, parte histórica onde a cidade começou a ser colonizada. Fuja da Bourbon Street, agito demais durante a noite. Ficamos no Hotel Monteleone, na Royal Street.

Comer em New Orleans
Cada um dos lugares abaixo tem seu charme e é único. Sinceramente, não sei qual o meu preferido...

Mr. B's Bistro - Creole, na frente do hotel acima, para comer bem e rápido
NOLA Restaurant - Creole, do famoso chef Emeril Lagasse
Stella! - American/Global, para comer à francesa e querer voltar no dia seguinte...
Commander's Palace - Creole, o jazz brunch, aos sábados e domingos, é uma delícia 
Brigtsen's - Creole-Cajun, lugar aconchegante, escolha a degustação de frutos do mar 

Poderia falar por horas sobre a cidade, mas acho que esse é o essencial... Quem quiser mais detalhes, é só me escrever!

Bom, agora é voltar para a cozinha, porque precisamos comer nessa casa... 



segunda-feira, 25 de abril de 2011

Bolachinhas rápidas!

Esta receita é inspirada nos cookies americanos, bolachinhas criadas nos anos 20 em Massachusetts. A versão clássica é feita com essência de baunilha e chips de chocolate. Mas não é a única opção.

Na semana passada resolvi inventar um pouco, acrescentando manteiga de amendoim (peanut butter). Fiz algumas alterações na receita original, reduzindo açúcar e farinha e aumentando o tamanho das bolachinhas.

Ficou muito saboroso e pronto tão rápido, que é perfeito para os dias preguiçosos...



Bolachinhas de Amendoim e Chocolate

Ingredientes
115g de  manteiga, em temperatura ambiente
80g de açúcar mascavo
80g de açúcar refinado
1 ovo, levemente batido
1/2 colher de chá de essência de baunilha
155g de farinha de trigo
Pitada de fermento em pó
100g de manteiga de amendoim
150g de chips de chocolate


Como fazer
Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte duas formas.
Bata a manteiga com os açúcares
Em seguida, acrescente o ovo e a baunilha.
Peneire a farinha com o fermento e adicione aos poucos, batendo bem.
Acrescente a manteiga de amendoim e os chips de chocolate.
Divida a massa em 16 porções, com ajuda de uma colher de sopa e coloque nas formas, achatando levemente (se preferir menores, utilize uma colher de chá, renderá aprox. 24 unidades).
Asse durante 15-20 minutos (o meu ficou pronto em 15, mas acho que com 12 já daria para tirar).
Retire-as da forma e deixe sobre uma grade por 10 minutos, até esfriarem.


Ficou uma delícia com um copo de leite bem geladinho!

Vai Comer o Quê?

Para começar a semana bem, depois de um feriadinho longo, nada melhor do que fazer um bom negócio, não é? E nesse ponto, os sites de compra coletiva estão cada vez mais populares, vendendo de tudo. Desde diárias em hotéis até revisão de carro. Mas confesso que tenho um pouco de preguiça de ficar procurando coisas legais no meio disso tudo...

Até que um amigo me indicou recentemente o Vai Comer o Quê?É um portal novo, que só trabalha com restaurantes. Mas não qualquer restaurante, tem que ser conceituado! Segundo o site, gastronomia é sinônimo de prazer e celebração!  

Na teoria parece tudo de bom mesmo, mas e na prática? Para testar o serviço, fui jantar há uns dias na a Tal da Pizza, usando um cupom comprado pelo site. A pizza lá, para quem não conhece, é trazida em fatias pequenas, para comer com a mão mesmo, uma delícia! O preço é R$ 70 por pizza. Em 4 pessoas, são no mínimo duas... Já o cupom, custou R$ 19,90.

E o atendimento foi perfeito! Logo sentamos, mesmo sem reserva. O cupom foi aceito sem questionamentos, de forma rápida e prática. Enfim, uma deliciosa experiência!

É a solução para fugir das roubadas e comer bem...



Facebook www.facebook.com/vaicomeroque
Twitter @vaicomeroque_


quarta-feira, 20 de abril de 2011

Pausa estratégica...

Está aberta a temporada de chocolates e sonecas... Voltamos dia 25/04.

Feliz Páscoa e bom descanso a todos!!!

Jeito de interior na Vila Madalena!

Mais um achado nessa cidade imensa que é São Paulo, dessa vez na Vila Madalena! Quase nunca ia lá, acho que é porque não conhecia direito, daí me perdia, pegava trânsito e voltava brava pra casa. Mas, agora estou indo com mais frequência e adorando!!

Esse lugarzinho, por exemplo, só poderia existir na Vila Madá (fui 3 vezes e já to me achando íntima...) É um armazém com jeito daqueles de antigamente, com tudo pendurado, balcão enorme cheio de panelas e panos de prato de um lado, bancada com quitutes do outro, restaurante em cima e cozinha nos fundos.



São mais de 800 itens diferentes espalhados pela loja! Mas como se não bastasse, o restaurante ainda é uma atração extra! O capricho da chef e escritora Heloisa Bacellar está por todo canto. Desde as mesinhas fofas do andar de cima (onde almocei), aos detalhes com toque caseiro da apresentação de cada prato.

Reparem o mini-regador onde veio o açúcar, junto com o cafezinho, no final...



Programa para uma tarde inteira...


Lá da Venda
Rua: Harmonia, Vila Madalena


terça-feira, 19 de abril de 2011

Risoto de Outono

Sim, existe um risoto de outono. E quem disse é o chef Gordon Ramsay no seu livro Um Chef Para as Quatro Estações, que, aliás, é ótimo! O livro é dividido nas quatro estações, falando inicialmente dos principais ingredientes e seguindo com receitas inspiradoras. Já virou meu livro favorito nesse outono... 

Falando do risoto, o ingrediente principal é a abóbora, que está no seu auge agora. E a combinação com o bacon e mascarpone fica simplesmente maravilhosa! Tanto que até o marido, que não gosta muito de legumes, comeu dois pratos ontem à noite!




Risoto de abóbora e bacon

Ingredientes
2 cebolas picadas
500g de polpa de abóbora, cortada em cubos de 1 cm
200g de arroz para risoto (carnaroli ou arbóreo)
100ml de vinho branco seco
500ml de caldo de galinha ou água
50g de bacon picado
2 colheres de sopa de queijo mascarpone (ou creme de leite fresco)
50g de queijo parmesão ralado
azeite, sal e pimenta a gosto


Como fazer
Frite o bacon em uma frigideira bem quente até ficar crocante. Reserve.
Doure as cebolas e em seguida acrescente as abóboras, refogando por aprox. 5 minutos.
Acrescente o arroz, refogando mais 2 minutos.
Adicione o vinho e deixe reduzir quase totalmente.
Regue com o caldo ou água e cozinhe em fogo baixo, até que o líquido seja absorvido.
Por fim, acrescente o bacon, mascarpone e parmesão, misturando bem.
Prove e acerte o tempero.
Sirva com um fio de azeite extra virgem.


obs.: acho que já perceberam que estou numa "fase outono"... Amo esta estação!  Mas garanto que, assim que chegar o Inverno, isso passa... :)

Outono como inspiração

No jantar do último sábado, aqui em casa, quis montar uma mesa "temática". Nada caricato, mas bem simples e aconchegante. Escolhi o Outono, para ficar em harmonia com o menu da noite, com vários ingredientes da estação. 


Para montar essa mesa e criar o clima da estação, os principais elementos foram:

  • flores do campo - amarelas e brancas, as coloquei em dois vasos pequenos, brancos e rústicos, feitos de milk glass.
  • velas - dentro de copos escuros, para um efeito diferente
  • jogo americano - usei panos de prato xadrez e lilás, colocados de forma que uma grande parte ficasse para fora da mesa
  • sousplats - para contrastar com os elementos rústicos, optei pelos de prata
  • guardanapos - brancos, mas dobrados em forma de rolinho. Para fazer é só dobrar o guardanapo quadrado ao meio, e rolar as duas extremidades em direção ao centro.



Simples e bonito, como o Outono...

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Nem tudo são flores...

É uma delícia pensar em um cardápio, comprar os ingredientes, prepará-los e ver a satisfação dos convidados, saboreando uma boa refeição. Mas, como nem tudo acontece como queremos, os acidentes de percurso são comuns... 

Estas foram as duas trapalhadas do jantar de sábado:


Codornas assadas recheadas com foie gras 

A intenção era fazer codornas recheadas, assadas lentamente em fogo médio, para preservar os sucos das aves e a umidade do recheio. Mas... O forno não funcionou de novo, apesar de ter sido "consertado" na sexta-feira e a solução foi grelhar as codorninhas.

Ruim não ficou, mas isso as transformou imediatamente em galetos, bem sequinhas e com gostinho de churrasco...


Mousse de Caqui 

Queria uma fruta da estação para a sobremesa, e o caqui pareceu uma boa ideia. Afinal, uma fruta gostosa, mas pouco usada culinariamente, seria perfeita para uma sobremesa diferente. 

Decidi fazer uma mousse. Porém, depois das 4 horas gelando, descobri que a fruta a deixa com uma textura diferente, meio arenosa. O que me fez entender porque, afinal, ela não é tão usada na cozinha...


Acho que o objetivo deste post é mostrar que de vez em quando, por mais que você se esforce, as coisas simplesmente não saem como você gostaria... Seja o forno não ligando ou a mousse não dando certo...


O que importa, por mais clichê que seja, é aprender com isso e continuar cozinhando!





Você conhece o alho negro?

O alho negro é um alho normal, que passou por um processo de fermentação e envelhecimento, em estufa, com temperatura e umidade controladas. O Resultado é um alho macio, adocicado e escuro.

Além disso, ele é rico em antioxidantes, ajuda no combate ao colesterol e possui propriedades anticancerígenas.

Até pouco tempo atrás, a produção brasileira era muito pequena e direcionada principalmente a restaurantes, como o D.O.M., do chef Alex Atala.

Inclusive, há uns 2 meses, fiquei morrendo de inveja de uma amiga querida. Ela está morando na Inglaterra e me enviou uma reportagem dizendo que o alho negro estava sendo vendido por lá no supermercado!

Então, já resignada com a falta do ingrediente aqui, não acreditei quando encontrei essas caixinhas de alho negro na Casa Santa Luzia! Trouxe duas para casa, feliz da vida!! 

Para saborear a iguaria no sábado, achei essa receita na minha caixinha de recortes. É do Alex Atala e saiu em uma edição da Revista Prazeres da Mesa, só não sei qual exatamete...





Cogumelos com Mandioquinha e Alho Negro

Ingredientes
500g de sal grosso
300g de mandioquinha
150g de cogumelo Paris
1 cabeça de alho negro
azeite, manteiga, sal e pimenta a gosto

Como fazer
Coloque as mandioquinhas em uma assadeira, cubra-as por inteiro com sal grosso.
Umedeça levemente a crosta de de sal com água e asse-as por 1 hora a 200°C.
Deixe esfriar, descasque-as e corte-as na diagonal em 4 pedaços cada uma. Reserve.
Doure os cogumelos na manteiga, temperados com sal e pimenta. Reserve.

Montagem
Disponha os cogumelos no centro do prato.
Ao lado, coloque 3 pedaços de mandioquinha e 3 dentes de alho negro.
Finalize com um fio de azeite.

Assando o Queijo Brie

Preciso começar essa semana curtinha com uma receita rápida, mas absolutamente deliciosa: queijo brie com cobertura de mel assado em crosta de massa folhada!

Achei esta receita por acaso na semana passada. Uma amiga me mostrava um livro antigo, do ex-chef de cozinha da família Kennedy, com direito a várias fotos da Jackie, quando dei de cara com a receita abaixo. Trouxe o livro pra casa, tirei cópia da receita e no sábado coloquei em prática. 

A preparação é muito simples, você pode deixar pronto 1 dia antes e só assar na hora, ou pode fazer um pouco antes do evento. Vai ficar delicioso de qualquer forma!


Queijo Brie Assado

Ingredientes
1 unidade de queijo brie redondo, pequeno
1/2 folha de massa folhada Arosa
mel, para a cobertura, a gosto
1 ovo batido com 2 colheres de sopa de água (egg wash)

Como fazer
Coloque o brie no centro da massa folhada aberta.
Espalhe o mel sobre o topo do queijo, generosamente.
Junte as pontas da massa no centro do queijo e enrole juntas, para formar um nó decorativo.
Refrigere por no mínimo 1 hora, no máximo 24h.
Pré-aqueça o forno a 180°C.
Coloque a massa em uma forma forrada com papel manteiga ou alumínio.
Pincele com a mistura de ovo e água (egg wash).
Asse até a crosta ficar dourada, entre 35-45 minutos.
Retire do forno e espere 5 minutos antes de cortar.

Alternativas para cobertura: pesto, tomate seco, cogumelos, geleias diversas, figos secos, etc...

sábado, 16 de abril de 2011

RESULTADO DO SORTEIO

Após 10 dias, várias inscrições e muitos dedos cruzados, chegou o dia do resultado do sorteio!!!!

Cada inscrição recebeu automaticamente um número pelo GoogleDocs, de acordo com a ordem em que foi enviada. Coloquei o número total no Random.org e cheguei ao sorteado.

Então, sem mais demora:


Parabéns à ganhadora e obrigada a todos pela participação!!

Esse foi só o primeiro de muitos sorteios... Não desanimem!

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Eu gosto de Quiche!

Eu sei que já dei receita de quiche (minha versão de quiche lorraine e quiche de espinafre com gorgonzola), mas eu não me aguento... Gosto tanto que vez ou outra faço. A de hoje é para usar a abobrinha que veio na cesta orgânica. Acrescentei bacon e queijo gruyère, duplinha que deixa tudo mais gostoso! 

Fiz meio na correira, enquanto organizava os preparativos para o jantar de amanhã, aqui em casa (experiência totalmente nova, amigos cobaias, preparem-se...). Essa é uma vantagem das quiches, você pode estar fazendo mil coisas que, salvo esquecer no forno, não tem como errar!!




Quiche de Abobrinha e Bacon

Ingredientes
1/2 pacote massa folhada Arosa
1 1/2 colheres de sopa de farinha de trigo
3 ovos
1/2 xícara de creme de leite fresco
1/2 xícara de leite
50g de bacon, cortado em cubos
1 abobrinha italiana, cortada em cubos
100g de queijo gruyère ralado (pode usar parmesão)
sal e pimenta-do-reino a gosto

Como fazer
Pré-aqueça o forno a 180°C.
Abra a massa em uma forma média redonda, untada com manteiga (melhor de fundo removível).
Bata a farinha com 1 ovo, depois que estiver homogêneo, acrescente os outros 2 ovos.
Vá adicionando lentamente o creme de leite, o leite, sal e pimenta.
Sobre a massa disponha, na seguinte ordem: abobrinha, bacon, queijo e, por fim, o molho.
Leve ao forno por 15 minutos a 180°C, depois abaixe o forno para 160°C e asse por mais 30 minutos.


Obs.: eu fiz meia receita, pois minha forma de quiche, de fundo removível, é média. Se preferir usar uma grande, além de dobrar a receita, deixe no forno por mais 20 minutos na temperatura mais baixa.



LEMBRETE: Já se inscreveu no Sorteio? Se não, aproveite as últimas horas e clique aqui.

Sexta de Compras!

Hoje é dia de relaxar... Dia em que tudo pode porque amanhã é sábado! E nada melhor para alegrar o dia, do que fazer umas comprinhas para a casa...

Achei o site da Rosamundo por acaso, há algum tempo, e depois de pensar bastante, resolvi arriscar uma compra. Recebi ontem as coisas, tudo certinho, dentro do prazo e no maior capricho (embalagens ao lado).

Não contente com o que comprei (uma cestinha de bambu para pães e um pote para bolachas), já montei a minha "Lista de Presentes" com os TOP10 itens que farão toda a diferença na minha cozinha! (o nome da lista é Gourmandisme)

O site tem coisas lindas, desde artigos para a cozinha até presentes originais. A parte de decoração é ótima! Uma prévia:



Para ficar "namorando"... 

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Peixe e molho, o almoço está pronto!

Hoje o almoço foi super corrido, não consegui fazer nada muito elaborado. Fui nos clássicos: peixe grelhadinho (linguado), arroz integral com brócolis e um molho caseiro para dar uma graça nisso tudo. 

Escolhi fazer um molho tártaro, não só porque é rápido e prático, mas também por ser uma delícia e combinar perfeitamente com um peixinho! 

A base dele é maionese, o que significa que você pode usar a versão pronta, mas não tem nem comparação com a caseira. Leva 5 minutinhos para fazer e a diferença é imensa!  



Molho Tártaro

Ingredientes
1 gema de ovo
1 colher de sopa de mostarda (de preferência a Dijon, mas se não tiver use a tradicional)
120ml de azeite de oliva
1 colher de chá de vinagre (fica melhor com o de vinho branco)
1 colher de sopa de alcaparras, escorridas e picadas
2 colheres de sopa de pepinos de conserva, escorridos e picados
salsinha, sal e pimenta-do-reino a gosto


Como fazer
Retire todos os ingredientes da geladeira pelo menos 10 minutos antes.
Bata a gema, mostarda, pimenta e sal, misturando bem.
Comece a acrescentar metade do azeite, aos poucos, batendo vigorosamente a cada nova adição.
Quando estiver mais encorpada, junte o vinagre. Termine de acrescentar o azeite.
Misture as alcaparras, os pepinos e salsinha com o molho. Acerte o sal.
Pode servir imediatamente, mas eu gosto de deixar na geladeira uns 10 minutos.


Dica: se quando você estiver adicionando o azeite o molho talhar (alterar sua consistência de aveludado para rachado), acrescente 1 ou 2 colheres de água fervente, e volte a bater até tomar corpo novamente.



Na Cozinha, do chef!

Nas palavras do Chef Carlos Ribeiro: "restaurante intimista de comida brasileira revisitada e com toques autorais". Esse é o restaurante Na Cozinha.

Você tem a sensação de estar almoçando com o próprio chef, com direito a cozinha toda de vidro logo na entrada, decoração bem pensada com azulejos que remetem ao interior e comida saborosa, bem caseira.

Quando fui lá, era Restaurant Week, mas dei uma espiadinha no Menu e já escolhi os meus próximos pratos: Barreado do Paraná, Moqueca Capixaba, Paraense e Baiana, e por aí vai...
Foto: Na Cozinha
O menu que experimentei:

Salada do engenho (folhas verdes, queijo coalho e molho melaço de cana).
Mixidinho da Paraíba (arroz vermelho da Paraíba, feijão fradinho,queijo coalho, picadinho suíno)
Brincadeiras de Maria Clara (fritos de massa de trigo com açúcar, canela e geleia de pimenta.



Para quem estiver em São Paulo, aproveite o fim de semana que está chegando para passar lá...

Na Cozinha - Restaurante e Escola de Gastronomia
Rua: Haddock Lobo, 955 Jardins
http://blognacozinha.zip.net/


LEMBRETE: Já se inscreveu no Sorteio? Se não, clique aqui.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Incrementando a Sopa de Mandioquinha

Ontem à noite, chuva, frio e a vontade de tomar uma sopinha. Acho que será uma constante daqui para a frente, ao longo do outono e inverno...

Mas só mandioquinha é meio sem graça. Encher de bacon também não é uma boa ideia para a dieta. A solução eu achei esta semana na loja da Bombay, no Jardins: Bacon Bits (nacos de soja torrada e salgada, saborizados com bacon, prontos para serem consumidos).

Normalmente eu não gosto muito de soja, mas esse temperinho... Me ganhou logo de cara! Fica uma delícia sobre toda sopinha, omeletes, saladas, batatas, etc...

E o melhor, para quem não está em São Paulo, eles vendem pela internet também!! Para quem está na cidade, vale a visita até a loja, pois tem muita coisa legal... Aos poucos vou falando das minhas outras descobertas lá...




Sopa de Mandioquinha com Bacon Bits

Ingredientes
500g de mandioquinha (batata-baroa)
1 cebola picada
1 dente de alho
4 xícaras chá de caldo de legumes (ou água)
2 colheres de creme de leite
azeite, sal e pimenta-do-reino a gosto

Como fazer
Descasque as mandioquinhas, corte-as em rodelas grandes e deixe-as em uma vasilha com água (isso evita que elas escureçam, também deve ser feito com batata, mandioca, etc).
Doure a cebola em azeite, até ficar transparente. Junte o alho e refogue por 1 minuto.
Acrescente a mandioquinha e misture. Cubra com o caldo e tempere com sal e pimenta-do-reino.
Cozinhe até ficar macia, cerca de 15 minutos. Retire do fogo e deixe esfriar.
Leve tudo ao liquidificador até ficar um creme liso.
Volte para a panela, acrescente o creme de leite e acerte o tempero.
Sirva em xícaras ou pratos fundos, com bacon bits por cima.

Serve 6 porções. Congele por até 3 meses o que não for consumido.


LEMBRETE: Já se inscreveu no Sorteio? Se não, clique aqui.

Ovo Poché, o desafio!

Eu simplesmente adoro ovo poché (ou escalfado). Mas todas as tentativas sempre acabavam em desastre. Claras esbranquiçadas pela panela inteira, gemas muito duras e a cozinheira, eu, jurando nunca mais comprar ovos!

Várias tentativas e livros de técnicas depois, decidi começar a usar uma concha para fazê-los. Funcionava, mais ainda não era aquilo tudo...

Até que, na semana passada, achei esse pequeno utensílio na Utilplast, que me pareceu bom demais para ser verdade... A promessa dele era um ovo poché perfeito, redondinho e sem bagunça.

As instruções eram simples: aquecer uma panela pequena com água e quando ferver, colocar o utensílio, com o ovo quebrado dentro.

Resolvi fazer um tira-teima, com os dois métodos:



Usei a minha tradicional concha e o novo utensílio, ambos untados com óleo. O tempo foi o mesmo para os dois: 6 minutos. Mas o resultado, um pouco diferente...

Como sempre acontece  com a concha, o ovo  cozinha, mas fica irregular, sem formato definido. Já com o utensílio, não tive esse problema. O ovo saiu perfeitinho, bem redondo.




Em resumo, para quem, como eu, ama ovo poché, mas não consegue fazê-lo com perfeição sem uma ajudinha, vale a pena ter este utensílio na cozinha! Aprovado!


LEMBRETE.: Já se inscreveu no Sorteio? Se não, clique aqui.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Dupla Perfeita!

Estes são os dois últimos temperos da lista de TOP10, a dupla conhecida como "cheiro-verde":

Cebolinha
Da família das cebolas, é rica em vitamina A e C. Combina muito bem em pratos que levam ovos, como omelete, mas também é excelente em peixes, massas e sopas.

Quando for cortá-la fresca, use uma tesoura de cozinha, é a melhor forma.


Salsinha
Rica em vitamina C e vários minerais, além de sua função estética na finalização dos pratos, tem a função de suavizar pratos que levam alho e cebola.

Vai muito bem nos canapés, sopas, pães, molhos de ervas, recheios para peixes e carnes. 

No omelete, adicione 1 colher de chá para cada 2 ovos.


Como as fotos mostram, eu guardo as minhas congeladas e coloco diretamente nos preparados, um pouco antes de montar os pratos.


LEMBRETE.: Já se inscreveu no Sorteio? Se não, clique aqui.

Bolinho de Queijo e Pimenta, e um forno em greve!

Acho que o pré-requisito para ser cozinheira é a persistência. Não desistir nunca, seguir o instinto e dar um jeito, seja ele qual for! Ontem à noite foi o meu teste...

Estava eu preparando o bolinho abaixo, com muito queijo e pimenta biquinho, para agradar o marido que sempre chega em casa morrendo de fome, quando, após 20 minutos pré-aquecendo o forno, notei que a cozinha continuava um gelo. Fui verificar e era isso mesmo: o forno estava frio!

Chequei desde o registro do gás até as bocas do fogão e estava tudo normal, só o forno em greve! Passada a raiva, foco no plano B: assar o bolinho no salão de festas do prédio. Veio a surpresa número 2, resolveram colocar só micro-ondas no salão. O marido veio com o plano C: congelar a massa e ir comer na padaria do lado de casa. Eu bati o pé: desistir jamais!

Eis que então, o espírito da cara-de-pau extrema baixou em mim e surgiu o plano D: toquei a campainha da minha vizinha de porta (uma espanhola que acabou de se mudar para o prédio) pedindo para alugar o forno dela por 20 minutos, o suficiente para assar meu bolinho!  

E não é que ela topou? Ufa... Assei o bolinho, dei uma parte para ela, em pagamento, e todos viveram feliz para sempre!!!  

Moral da história: se o bolinho for bom como este aqui, vale a insistência!




Bolinho de Milho com Queijo e Pimenta Biquinho

Ingredientes
1 xícara farinha de milho (fubá)
1 xícara farinha de trigo
1/4 xícara de açúcar
1 colher de sopa de fermento em pó
1 colher de chá de sal
180g de queijo espanhol manchego ralado (se não tiver, pode usar gruyère, cheddar ou gouda)
1 xícara de leite (não tinha, usei creme de leite)
1/3 xícara de óleo vegetal (usei de milho)
2 ovos, levemente batidos
1/2 xícara pimenta jalapeño picadas (usei pimenta biquinho)

Como fazer
Pré-aqueça o forno a 200°C. Unte uma forma quadrada com manteiga.
Bata o leite com o óleo e os ovos. Acrescente aos poucos as farinhas, o açúcar, fermento e sal.
Adicione metade do queijo e a pimenta e misture lentamente.
Coloque a misture na forma e arranje algumas pimentas por cima (foto abaixo).
Cubra com o restante do queijo.
Leve para assar por 20 min ou até um palito espetado no centro sair limpo.
Sirva quente.

Curiosidade
Esta é a versão brasileira do americano Cornbread.

 Obs.: coloquei as fotos do antes e depois para mostrar como arrumei as pimentas por cima. Além disso, repare que ele não cresce quase nada, fica praticamente do mesmo tamanho depois de pronto.



LEMBRETE: Já se inscreveu no Sorteio? Se não, clique aqui.