quinta-feira, 30 de junho de 2011

Lugarzinho bom...

São Paulo me conquista mais e mais a cada dia. Quando eu acho que já conheci bastante coisa legal, que tá bom, aparece mais um lugarzinho que me deixa apaixonada! E essa semana não foi diferente, conheci a The Cake is on the Table.

Cantinho muito charmoso, decorado a dedo pelas sócias, com um dos melhores cupcakes que já comi. E não pense que é por conta dos ingredientes chiques e famosos. Nada disso. É bem pelo contrário. Combinações simples, mas com gostinho de infância. Gostinho caseiro. 

Como resistir ao cupcake Nega Maluca? E ao Toalha Felpuda? Também me rendi ao Cenoura com Cobertura de Chocolate. É ou não tudo aquilo que amávamos na infância, em forma de cupcakes? Ao lado é a caixinha que montei na minha visita, com direito ainda à Nozes e Doce de Leite e Fubá e Goiabada, para agradar o marido...



The Cake is on the Table
www.thecakeisonthetable.com.br
rua: amaro guerra, 246 chácara santo antônio



Salada de inverno!

Eu gosto dos clássicos. Aqueles pratos que estão por aí há tempos e vão continuar. Aqueles de sabor incontestável. Aqueles em que eu posso contar. A Salada Lyonnaise é um desses clássicos. Batizada em homenagem à cidade de Lyon, na França, é daquelas que não cansa. 

Aqui, uma pequena adaptação de quem está querendo se poupar para o final de semana: peito de peru em cubos ao invés de bacon. Não interferiu em nada no conjunto, e honestamente, me senti melhor comendo, sem culpa. 




Salada Lyonnaise

Ingredientes
200g de peito de peru, em cubos
3 fatias de pão, em cubos
1 pé de alface crespa pequeno, limpo e em pedaços
2 ovos
1 colher de vinagre
sal, pimenta e azeite a gosto

Como fazer
Doure os cubos de pães em uma colher de azeite, tempere com sal e pimenta. Reserve.
Aqueça os cubos de peito de peru também em azeite. Reserve.
Aqueça uma panela com água e vinagre, quebre os ovos e cozinhe por 3 minutos (caso isso não seja tão simples para você, fique tranquilo, esta dica vai garantir o sucesso).
Monte os pratos, dispondo o alface no centro, peito de peru e pães aos lados e o ovo poché por cima.


Leve, mas sustenta bem, como o inverno pede...


quarta-feira, 29 de junho de 2011

Você usa o óleo certo?

Nas prateleiras do supermercado, inúmeras opções. Na cozinha, várias utilidades. E para juntar os dois, confusão... Demorei um tempo até chegar aos meus óleos favoritos para cada utilidade, mas hoje em dia não erro mais.

Divido com vocês os meus favoritos:


PARA FRITAR 
Sempre uso o óleo de amendoim. Ele tem um ponto de fumaça maior que os demais óleos, atingindo até 230°C, o que mantém sua composição mesmo nas altas temperaturas. Além disso, tem vitamina E



PARA ASSAR
O óleo de girassol é o que uso para adicionar aos muffins, bolos e pães. Mais leve que o de soja e rico em ômega-6, ele se danifica sob a alta temperatura do fogo direto, mas vai super bem no forno.









PARA SALADAS E MOLHOS 
Aqui uso sempre o clássico, azeite de oliva. Às vezes, gosto de variar um pouquinho e uso óleo de abacate, abóbora, nozes, avelã ou semente de linhaça. Todos perdem suas propriedades nutritivas se submetidos à altas temperaturas, portanto, a melhor forma de degustá-los é em saladas ou molhos mesmo.





CURINGA
Na falta de alguma das opções acima, recorro ao óleo de canola. Rico em ômega-3 e baixo em gordura saturada, ele tem ponto de fumaça um pouco maior do que o azeite de oliva. Ao mesmo tempo, é saboroso para ser usado em saladas e molhos.






Importante: Óleos estragam facilmente. Para prolongar a validade, dê preferência à opção em lata. Caso não tenha disponível, guarde-os em lugar arejado e ao abrigo de luz



Muffins com um chocolate é bom, mas com dois é melhor...

Imagine o seguinte: muffins aromatizados com fava de baunilha, marmorizados com chocolate amargo derretido e finalizados com chocolate ao leite em pedaços. Tem como não ficar com água na boca? 

Pois é, esses foram os muffins escolhidos para um final de semana no sítio, com um casal de amigos muito queridos. O fato de todos gostarem de um bom chocolate, contribuiu para a escolha. Mas também, a aparência mais rústica deles, nada certinhos, como os primos famosos cupcakes. 

Tudo a ver com aquele clima gostoso e relaxado do sítio...




Muffins Marmorizados com dois chocolates

Ingredientes
200g de chocolate meio amargo
100g de chocolate ao leite, em pedaços pequenos
200g de manteiga amolecida
1 fava de baunilha
175g de açúcar
3 ovos
225g de farinha de trigo
1/2 colher de café de fermento em pó

Como fazer
Pré-aqueça o forno a 180°C e separe 12 forminhas de muffins.
Derreta o chocolate amargo com 30g de manteiga, até formar um creme homogêneo. Reserve.
Bata os ovos com o açúcar, depois acrescente a manteiga restante, baunilha, farinha e fermento.
Coloque uma camada em cada forminha, cubra com uma camada de chocolate derretido.
Acrescente uma segunda camada de massa e depois o restante do chocolate derretido.
Finalize com os pedaços de chocolate ao leite por cima.
Asse por 20 minutos, ou até ao colocar um palito no centro dos muffins, ele saia limpo.



Definitivamente um dos melhores bolinhos que comi nos últimos tempos...



terça-feira, 28 de junho de 2011

Arraial Chique: decoração

Para completar as comidinhas, quitutes e docinhos, precisava deixar a casa com um clima junino. Nessas horas, morar em São Paulo é uma beleza, logo vem a Rua 25 de Março na cabeça! Mas, como não conheço nada por lá, sempre apelo para o Google...

E foi assim que cheguei à loja Magazine 25 de Março, paraíso dos artigos para festa. Todo tipo de festa. Desde aniversário de criança, até casamento. Passando, lógico, por festa junina. Fui para lá feliz da vida, mas confesso que fiquei meio atordoada quando cheguei. Uma imensidão de coisas!

Felizmente, não precisei de muito para deixar a casa pronta:

- toalhas e guardanapos xadrez
- fogueirinhas de papel sobre a mesa
- velas coloridas em copinhos de cachaça
- alguns lenços xadrez, para embrulhar as lembrancinhas
- argolas e peixinhos, para as brincadeiras



Boa notícia para quem está fora de São Paulo, a loja vende pelo site e entrega no Brasil todo. Sem desculpas para a próxima festinha. Tem que ter decoração!!!


Magazine 25 de Março
www.magazine25.com.br
Avenida Senador Queirós, 101 - 1º Andar - Sala 114 


Arraial Chique: os doces!

Ahh os doces... Sempre garantem o sucesso de qualquer evento. E aqui não foi diferente. 

Para a sobremesa eu queria fazer algo simples, com cara junina, até caseira, com aquele gostinho da, agora tão famosa, comfort food. E o que é mais caseiro e aconchegante do que brigadeiro de colher? Ou um bom e velho romeu e julieta? Então, juntando os dois, virou um duo de brigadeiros, de goiabada e chocolate branco, servidos em mini-potes com colherzinha.

Mas... Como se não fosse suficiente, teve lembrancinha da festa! Repeteco da Canjica de Baunilha, em potinhos individuais e enrolados em lenço caipira, com cara de marmita. Para quem estiver com preguiça de ir até o outro post, a receita está lá embaixo... 




Duo de Brigadeiros 
Goiabada e Chocolate Branco

Ingredientes
Goiabada
300g de goiabada, dura ou cremosa
150g de leite em pó

Chocolate Branco
1 lata de leite condensado
200g de chocolate branco
1 colher de sopa de manteiga
1/2 copo de leite


Como fazer
Goiabada
Derreta a goiabada, em fogo médio.
Acrescente aos poucos o leite em pó, sem parar de mexer.
Quando a mistura estiver homogênea e soltando do fundo da panela, retire do fogo.
Espere esfriar e coloque nos potinhos.


Chocolate Branco
Derreta a manteiga em fogo baixo.
Acrescente os demais ingredientes, sem parar de mexer.
Quando estiver em ponto de brigadeiro, retire do fogo.
Espere esfriar e coloque nos potinhos.



Potinhos de Canjica

Ingredientes
250g de canjica de milho branca
250ml de leite integral
200ml de leite de coco
1 lata de leite condensado
1 fava de baunilha, aberta e raspada
1 canela em pau


Como fazer
Deixe a canjica de molho na água de um dia para o outro. 
No dia seguinte, cozinhe a canjica em água por 40 minutos, ou até ficar no ponto de sua preferência. 
Quando estiver cozida, escorra a água e adicione todos os ingredientes.
Cozinhe em fogo baixo por aproximadamente 20 minutos.
Espere esfriar e coloque nos potinhos.
Enrole com lenços juninos.



E com isso termino de apresentar o menu do jantar junino da semana passada... Gostaram?




segunda-feira, 27 de junho de 2011

Arraial Chique: prato principal

Depois dos quitutes da entrada, chegou a hora do prato principal. E a expectativa era grande, pois há 3 semanas estava com uma dúzia de coxas e sobrecoxas de pato em confit, na minha geladeira.

Por mais que pareça chique, o confit de pato é uma técnica muito comum no interior da França. Mas, como não é a primeira vez que a coloco por aqui, não vou repetir a história toda. Sugiro uma espiadinha neste outro post. Para acompanhar, fiz curau de milho e farofa de pinhão. 

É ou não um belo prato caipira?




Confit de Pato


Ingredientes
12 coxas com sobrecoxa de pato
2 kg de gordura de pato
6 dentes de alho

sal trufado


Como fazer
Dia do Preparo 

Esfregue as coxas de pato com o sal e deixe marinando por algumas horas. 
Pré-aqueça o forno a 190°C, enquanto derrete a gordura de pato em fogo baixo.
Acomode os patos em duas formas e despeje a gordura derretida até quase cobrir. 

Divida os dentes de alho nas formas e tampe com papel-alumínio.
Asse por cerca de 1 hora, ou até a pele e a carne soltarem da extremidade do osso.
Espere esfriar e depois guarde o recipiente na geladeira, sem mexer em nada.
Mantenha refrigerado até usar.

Dia de Servir 

Retire o recipiente da geladeira algumas horas antes do jantar.
Disponha os patos em uma outra forma, retirando bem a gordura da superfície.
Asse em forno médio (160°C) por aproximadamente 1 hora.



Imprevistos: tive novamente um problema com o fornecimento de gás e o forno não funcionou na hora H. Como alternativa, finalizei os patos na frigideira. Grelhei em fogo médio, com a gordura para baixo e tampados, por aproximadamente 10 minutos. A desvantagem foi perder uma parte da maciez, mudando a consistência da carne. O sabor, por outro lado, não foi prejudicado em nada! 


Acompanhamentos

O curau de milho já apareceu aqui no blog, na receita Curau de Milho e Caviar da Chef Roberta Sudbrack. Só aumentei a quantidade, fazendo 8 espigas de milho. 

A farofa de pinhão é muito simples. São 500g de pinhão, cozidos e passados no processador. Na hora de servir, dourados em 2 colheres de manteiga, com sal e pimenta. Mais nada! E nem precisa de nada, só assim já ficou bom demais...



Depois disso tudo.... Veio a sobremesa! Mas essa vai ficar para amanhã...



Arraial Chique: comidinhas

Chegou a hora das receitas servidas no jantar do começo do feriado aqui em casa. No estilo "festinha junina", teve direito à muitos quitutes. Muitos mesmo. Então, para começar, as comidinhas da entrada...

Como prêmio para algumas brincadeiras (falarei delas em um próximo post), amendoim torrado. Para salgá-lo, usei flocos de sal defumado. A diferença é sutil, mas está lá. Na sequência, mini-cachorro quente. Aqui, quis mostrar um pouquinho dos costumes lá da minha terrinha, Blumenau, onde todo cachorro-quente obrigatoriamente tem chucrute! E para completar, mini-milho defumado com manteiga derretida.

A ideia era manter a praticidade, facilitando a montagem dos pratos na hora. Mas, como não poderia deixar de ser, com um toque gourmet. Acho que deu certo!




Amendoim Torrado Defumado

Ingredientes
500g de amendoim
2 colheres de sopa de flocos de sal defumado
1 xícara de água

Como fazer
Leve os amendoins ao forno pré-aquecido a 180°C por 15 minutos.
Misture o sal com a água, até dissolver e jogue sobre os amendoins.
Retorne ao forno por mais 15 minutos, ou até secar a água.
Espere esfriar para colocar nos potinhos.





Cachorro-Quente alemão

Ingredientes
1 cebola picada
1/2 xícara de extrato de tomate
1/2 xícara de água
500g de chucrute Hemmer
18 mini-salsichas (sugiro a marca Hans)
18 bisnaguinhas
sal, pimenta e azeite a gosto

Como fazer
Doure a cebola no azeite e acrescente o extrato de tomate.
Adicione a água e na sequência o chucrute.
Deixe ferver e abaixe o fogo. Cozinhe por 10 minutos e reserve.
Enquanto isso, doure as salsichas em um grelha (não precisa cozinhar em água).
Monte cada pratinho com o pão, salsicha e o molho por cima.




Mini-Milho defumado

Ingredientes
500g de mini-milho
1 1/2 litros de água
2 colheres de sopa de Liquid Smoke (essência de fumaça líquida)
50g de manteiga com sal
sal e pimenta a gosto

Como fazer
Cozinhe os milhos na água, com o Liquid Smoke, até amolecer.
Derreta a manteiga e tempere com sal e pimenta.
Sirva em potinhos, regando com a manteiga derretida e um garfinho para ajudar.



E isso foi só o começo... Tem muito mais ainda por vir...




quarta-feira, 22 de junho de 2011

Sneak peek!

Hoje a noite tem jantar aqui em casa. Mas não um jantar qualquer... Jantar junino! Esse ano encasquetei que queria fazer uma festinha assim em casa, e não teve cristo, nem marido, que tirasse isso da minha cabeça!

Felizmente, os amigos gostaram da ideia, uma até me ajudou a armar o circo, e hoje vai acontecer! O único problema disso, é que desde ontem estou no pré-preparo dos quitutes, sem tempo para cozinhar de verdade para mim e para o marido. Estamos passando à base de sanduiche... 

Como consequência, o Gourmandisme também fica sem receitinhas hoje. Mas... Para dar um gostinho do que vem por aí, preparei um sneak peek  (aquela espiadinha...). Conseguem adivinhar o quê tudo isso vai dar?




Bom feriado a todos!!!


Em São Paulo no feriado...

Vá ao Epice Restaurante. Recente inauguração na cidade, estava muito curiosa para conhecê-lo. E é sempre um problema criar  tamanha expectativa sobre um lugar...

Neste caso, a realidade superou, e muito, a expectativa! A começar pelo cardápio, onde os pratos levam apenas o nome do ingrediente principal. Simples assim.

Na entrada, pedi a abóbora, que inclui nhoque de abóbora, abóbora sauté, shimeji, gelatina de parmesão, creme de abóbora e avelãs. Impecável.

Para o prato principal, resolvi arriscar: porco, uma barriga de porco perfeitamente acompanhada de grão de bico cozido com chorizo e páprica, finalizado com azeite de chorizo. Inesquecível.

Criando espaço, sei lá aonde, fui para a sobremesa: pêra, composta de meia pêra sauté coberta por farofa de pão de especiarias, sorbet de pêra escoltados por duas fatias crocantes da fruta e uma mousse de chocolate meio amargo. Perfeição.

E para fechar com chave de ouro? O preço! Justo para a qualidade superior da comida. Longe dos abusos que vemos por aí...


Epice Restaurante
Rua: Haddock Lobo, 1002 Jardins
www.epicerestaurante.com.br


terça-feira, 21 de junho de 2011

Simplicidade: creme de batatas e trufas negras!

Um prato bem pensado, em harmonia, mas com somente dois ingredientes. Não só é possível, como uma delícia. O segredo é investir em ingredientes de qualidade, se possível da estação, e marcantes. Essa é a base desse creme de batatas e trufas negras.

Um creme só de batatas, que estão no auge agora no inverno, com um leve tempero de alho, acompanhadas de trufas negras rapidamente douradas no azeite, formam um jantar leve e ao mesmo tempo rico em sabores. Incrivelmente, resisti à tentação de adicionar creme de leite ou manteiga. Não precisava. E não insisti. 




Creme de Batatas e Trufas Negras

Ingredientes
4 batatas grandes, descascadas e cortadas em cubos
1,5 litros de caldo de legumes
1/2 pote de trufas em conserva
sal, pimenta, azeite, alho em pó e flor de sal a gosto

Como fazer
Cozinhe as batatas no caldo de legumes até amolecerem (aprox. 20 minutos).
Retire do fogo e leve ao processador, aos poucos, até formar o creme.
Processe junto com o creme todo o líquido da conserva das trufas.
Volte à panela e tempere com sal, pimenta e o alho em pó.
Cozinhe por mais 5 minutos, retire do fogo e reserve.
Fatie as trufas e doure no azeite, por 2 minutos.
Sirva os pratos com o creme e coloque as trufas por cima.
Finalize com flor de sal sobre as trufas.


Para os curiosos, as trufas negras inteiras vêm assim:


















Finalmente... o Inverno!

Minha estação do ano favorita é o inverno. Amo os dias com sol, mas com aquele friozinho. O ar mais leve. Amo dormir cheia de cobertas. E acima de tudo, amo comer no inverno.

Sopas são tão leves quanto saladas, mas infinitamente melhores! Cozidos e ensopados são a cara da estação. Assados também. Pães, bolos, cremes e afins completam o menu.

E existem muitos ingredientes que atingem seu auge no inverno, sabia? Agora é hora de usar: 

Batatas – melhor época para saboreá-las, embora estejamos acostumados a vê-la o ano inteiro. Para aproveitar o melhor sabor, o chef GordonRamsay sugere uma sopa creme apenas de batata, com lascas de trufas negras. Simples e perfeito.

Alho-poró – mesmo caso das batatas, está por aí o ano inteiro. Mas agora está melhor.  Aproveite que os miolos estão durinhos e ótimos para uma sopa e ouse na combinação sopa creme de alho-poró com ostras fritas. O melhor da estação.

Ostras – não existe meio termo com as ostras. Ou você as ama, ou odeia. Fiz um curso no ano passado, onde cada aluno tinha que preparar 12 ostras, 6 in natura e 6 gratinadas. Só consegui apresentar as minhas gratinadas, porque as outras acabei comendo muito antes. Foi mais forte do que eu. Acho que isso explica o quanto eu gosto de ostras. Então, agora é a hora. In natura, apenas com um limãozinho, é perfeito. Gratinada em sua própria concha, com um bom molho béchamel e queijo gruyère, é pura luxúria.

Dica rápida de lugar: para quem for à Florianópolis, o Ostradamus tem sido eleito o melhor restaurante de ostras do Brasil há anos.  

Bacalhau – talvez o único peixe realmente associado ao inverno, ele tem mil e uma formas de preparo. Geralmente, utilizando o bacalhau seco, dessalgado, muitas batatas e azeitonas pretas. Mas dá para fazer diferente. Utilizar a posta fresca, grelhando a pele em uma frigideira bem quente para formar quase um “pururuca”, acompanhado de um purê de batatas com bastante alho.

Rabada bovina – já posso imaginar muita gente torcendo o nariz ao ler a indicação desta carne. O marido é uma delas, com certeza! Mas peço que reconsiderem. Ela é tão ou mais saborosa que o ossobuco, e mais barata. O ensopado tradicional pode parecer muito simples, então, vá de ragu de rabada, feito com um bom vinho tinto. Simplesmente sensacional (como de qualquer outra carne que venha com osso).

Maçãs – existe uma razão para ter tanta maçã do amor em festa junina, é a época delas! Aproveite para fazer muitos doces, mas se conseguir, faça pelo menos uma vez uma tarte tatin clássica, você não vai se arrepender!

Tangerinas –  essas são mais difíceis de encontrar fora da época, portanto, tem que usar muito agora! Além do suco, que é uma delícia, use-as em pratos simples, mas deliciosos. Sugiro o consommé de clementinas com cogumelos frescos. Receita da chef Roberta Sudbrack, ou seja, boa demais!


E que venha o frio...


segunda-feira, 20 de junho de 2011

TOP 5 Utensílios curiosos na minha cozinha

Como boa cozinheira em treinamento, fico doidinha em lojas de cozinha. Sempre tem uma novidade interessante. Aquela coisinha que vai mudar totalmente a vida. Pelo menos é o discurso para me auto-convencer da necessidade imediata de mais um utensílio. E confesso que sou muito persuasiva... Sempre me convenço! 

Organizando a cozinha na semana passada, me deparei com alguns itens curiosos. A maioria tem apenas uma finalidade e ajudam bastante no dia-a-dia. Mas principalmente em noites de jantares especiais, onde cada tempinho ganho é fundamental. São eles:



Termômetros de carne 
Tenho um grande, para assados inteiros, e vários pequenos, para cortes. A cocção da carne é definida por sua temperatura interna. Com os termômetros, você consegue ter certeza do ponto de cozimento, sem precisar cortar a carne antes de servir.

Bem-passado – 77°C / 170°F
Ao ponto – 71°C / 160°F
Mal-passado – 66°C / 150°F
Sangrando – 60°C / 140°F





Descascador de milho 
Talvez a palavra certa fosse "debulhador" de milho, pois essa é a verdadeira função dele. Fazer aquelas espigas cozidas virarem pequenos grãos em tempo recorde. Muito útil para quem, como eu, não gosta de comprar milho em lata. Usei para fazer o curau de milho e caviar e ganhei muito tempo com ele. Recomendo! 








Modeladores de Nhoque 
Esse não tem como finalidade facilitar a vida, na verdade, ele ainda cria mais uma etapa. Mas é uma etapa cheia de charme. Sabe aquele nhoque trabalhadinho, com riscos uniformes, todo bonitinho? Então, é feito com estes modeladores. Depois de cortado, você os pressiona no modelador de sua escolha (riscos pequenos, médios ou grandes) e pronto! Os nhoques ficam com uma carinha mais profissional, como o de abóbora com carne seca, que fiz um tempinho atrás.





Escovinha para limpar cogumelos 
Já falei aqui no blog sobre como limpar cogumelos frescos, mas vale um repeteco: nunca mergulhe em água, pois eles são como esponjas, absorvem tudo. A melhor maneira é limpar com uma escovinha (esta da foto), ou um pano de louça limpo. Para o consommé de clementinas a escovinha é quem garante todo o frescor do prato. Elas vêm em vários formatos, essa minha é um shitake.





Modelador de Almôndegas 
E outras cositas mais, claro. Essa tesoura diferente é muito prática para modelar qualquer alimento, seja ele carne, massa ou pães. Usei recentemente para dividir e modelar pães de queijo, garantindo que todos ficassem iguais. Muito prático e rápido!


Tenho ainda algumas outras coisinhas, como prensas para carne, descascador de pinhão, faca de ostra, pinça para peixe, etc. Mas esses aqui são os meus xodós, os que mais uso. Mas, se você ainda está em um passo anterior, montando a cozinha, dá uma olhadinha nos básicos da minha cozinha, para ver se ajuda...




Para tanto clima junino... canjica!

Se tem um evento no ano que o marido e eu esperamos, ansiosamente, é a festa junina. E não tem nada a ver com dançar quadrilha, pular fogueira ou qualquer outra atividade aeróbica. É por causa da comida... Das barraquinhas de pescaria, tiro ao alvo e argolas também, mas a comida sempre é o principal motivo!

E para nossa alegria, nesse final de semana foi a festa junina do clube. Batemos cartão na sexta-feira, no sábado e domingo. A barraquinha de churrasco já era nossa velha conhecida. Assim como a de quentão, de arroz-doce, de cachorro-quente...

Só não a de canjica. Porque já no sábado cedo abasteci nossa cozinha com uma quantidade razoável, calculada para nos suprir ao longo do final de semana. Como fiz com o vinho quente, modifiquei o clássico, para criar o meu. De novo não coloquei cravos, nem raspas de nada. Só a boa e velha fava de baunilha e um toque de canela... 

Se ficou bom? Hoje é segunda-feira e não tem mais nada...



Canjica com Baunilha

Ingredientes
250g de canjica de milho branca
250ml de leite integral
200ml de leite de coco
1 lata de leite condensado
1 fava de baunilha, aberta e raspada
1 canela em pau


Como fazer
Deixe a canjica de molho na água de um dia para o outro. 
No dia seguinte, cozinhe a canjica em água por 40 minutos, ou até ficar no ponto de sua preferência. 
Quando estiver cozida, escorra a água e adicione todos os ingredientes.
Cozinhe em fogo baixo por aproximadamente 20 minutos.


Doce na medida certa....


sexta-feira, 17 de junho de 2011

Fornada das 18h: Whoopies!

A história se repete toda semana. Chega a sexta-feira, e com ela uma vontade enorme de assar um bolinho. E como o tempo já está do nosso lado de novo, dá para fazer algo mais elaborado. Geralmente cupcakes, muffins ou umas bolachinhas...

Mas, hoje a inspiração veio com tudo. Resolvi fazer Whoopies pela primeira vez! Em resumo, Whoopies são mini sanduíches de massa de bolo fina, obrigatoriamente recheados, com ou sem cobertura. Dizem lá por Londres e New York que são os novos cupcakes...

Enquanto a moda não chega por aqui, para encontrarmos esses doces sanduiches por todos os lugares, vamos fazendo em casa... É fácil, fácil...




Whoopies de Chocolate

Ingredientes
Esponja
100g de manteiga
140g de açúcar
2 ovos, batidos
1 colher de chá de extrato de baunilha
100g de farinha de trigo
100g de cacau em pó
1 colher de chá de bicarbonato de sódio

Recheio
1 clara
150g de açúcar de confeiteiro
1 colher de sopa de suco de limão 

Como fazer
Esponja
Pré-aqueça o forno a 200°C.
Bata a manteiga com o açúcar, até ficar esbranquiçado. Adicione os ovos e a baunilha, aos poucos.
Adicione os ingredientes secos, passando por uma peneira, e misture delicadamente. 
Coloque porções na assadeira, como se fosse assar cookies, de aproximadamente 10cm de diâmetro, deixando bastante espaço entre eles. 
Asse por 7 minutos, retire e espere esfriar para desenformar.

Recheio
Bata em velocidade alta as claras, o açúcar e o suco de limão, por 7 minutos, ou até que o creme fique brilhante e duro o suficiente para não escorrer da pá da batedeira.
Se for usar corante, misture depois que o creme estiver pronto.

Montagem
Coloque uma colher de sopa, bem cheia, sobre metade das esponjas e cubra com a outra metade.



Simples assim, os Whoopies estão prontos! Mas, e como é que se come isso? Sugiro às colheradas...




Agora sim começou o final de semana...


Antes do Mercado Municipal...

Existe a Rua Santa Rosa! Segredo muito bem guardado dos gourmets e gourmands da cidade, é um paraíso. Não só pela variedade de produtos, imensa, mas também pelo preço, bem abaixo daqueles do Mercado Municipal.

Para não se perder na rua e fazer um mal negócio, sempre um risco, concentre as compras em dois grandes lugares: a Casa Flora e a Cerealista Helena. Cada uma em um segmento, são muito tradicionais e com produtos de altíssima qualidade. 

Difícil vai ser sair de lá sem pelo menos uma sacolinha...

Casa Flora 
Rua: Santa Rosa, 197
www.casaflora.com.br
Vinhos, queijos, azeites, bacalhau, queijos, vinagres balsâmicos. Enfim, todos aqueles produtinhos deliciosos que adoramos. 


Cerealista Helena 
Rua: Santa Rosa, 141
www.cerealistahelena.com.br
Açúcar de baunilha, arroz selvagem, castanhas, chocolates, farinhas, massas. Aqui, as bases necessárias para toda cozinha de qualidade. 


A boa notícia para quem está fora de São Paulo: a Cerealista Helena entrega em todo Brasil. E a Casa Flora trabalha com representantes em vários estados, a lista completa está no site deles. 




quinta-feira, 16 de junho de 2011

Você sabe o que é caviar?

Nunca vi, nem comi, só ouço falar... Já dizia Zeca Pagodinho. Mas, músicas à parte, a verdade é que ainda existe muita confusão quando se fala em caviar. Com tanta coisa sendo vendida por aí, é até normal...

Antes de entrar nos tipos, pequeno esclarecimento. Embora tudo sugira que os russos são os responsáveis pela iguaria, vários documentos históricos indicam os chineses como primeiros produtores de caviar, utilizando as ovas de carpa de água doce. Então, um general chinês invadiu a Rússia e levou seu caviar para lá. Logo depois os russos descobriram as ovas do esturjão e ficaram famosos com elas...

Um ponto em comum entre as opções abaixo (salvo a versão brasileira) é a forma de degustá-los. O melhor é da maneira mais simples possível, diretamente do pote ou sobre torradas finas. A combinação de blinis e sour cream também é perfeita. 


Caviar de Esturjão
É o caviar de verdade. O melhor tipo é o beluga do mar Cáspio. Um pouco inferiores, mas ainda excelentes são os esturjões osetra e servuga. O beluga tem uma cor cinza-aço e um sabor que lembra nozes. O menor pote, de 30g, custa 258 euros e está disponível na francesa Petrossian


Caviar da Aquitânia 
É o "genérico". Com a pesca predatória do esturjão beluga, esta região têm se destacado com o cultivo de excelência dos esturjões baeri. As ovas têm uma cor cinza-escura e na boca, um sabor leve, quase defumado. O menor pote, de 30g, custa 60 euros e está disponível também na Petrossian





Ovas de Salmão 
Com um marcante tom de laranja, parecem pequenas bolinhas de vidro brilhante. Na boca, explodem delicadamente para exalar uma mistura de sabores de peixe, mar e mel. O pote de 100g custa R$49,00 na Planeta Sonho Deli.

Ovas de Capelão
É o caviar da Islândia, com ovas bem pequenas. Ele vem em duas cores, criadas através da adição de corantes (não prejudiciais à saúde): preta e vermelha. Tem uma boa durabilidade, até 1 ano se mantido refrigerado. O pote de 200g custa R$39,00 também na Planeta Sonho Deli.








Ovas de Tainha 
Versão tupiniquim, a Bottarga é salgada, defumada e fechada à vácuo. Sua forma de consumo é diferente, fatiada para aperitivos ou em lascas para compor pratos. Um pacote de 120g custa R$69,00  e está disponível na Cosa Nostra Delicatessen




Então, para resumir, caviar são só as ovas do peixe esturjão. Os demais são simplesmente ovas. O que não significa que são ruins, pelo contrário, são muito boas. Apenas não aceite mais gato por lebre! 


Obs.: apesar de não gostar de colocar o preço dos produtos, aqui achei necessário para ajudar a demonstrar a qualidade de cada um.




Back to basics...

Hoje é um dia de comemoração dupla no Gourmandisme. Completamos 4 meses de vida e esta é a receita de número 100, tudo no mesmo dia! E para comemorar, pensei em bolos, cupcakes, brigadeiros e vários outros doces... Porém, acho que é o momento certo para voltar ao básico...

Preparar aquele prato que intuitivamente sabemos desde sempre... Aquele que nunca precisou de receita, e nunca vai precisar. Para mim, este prato é a Lasanha Bolonhesa. Ela foi resgatada da memória à pedido do marido e fiquei muito feliz em fazê-la, depois de tanto tempo!

Com uma boa carne, bacon para dar aquele gostinho especial e muito queijo. Alguns fazem com molho bèchamel, mas a minha eu gosto com ricota. Além de bastante mussarela e parmesão, porque já que é para comer lasanha, que seja direito!!




Lasanha Bolonhesa Clássica

Ingredientes
1 pacote de massa de lasanha pré-cozida
250g carne moída
150g de bacon
1/2 cebola picada
2 dentes de alho picados
1 lata de tomates pelados
1 lata de molho de tomate
1/2 xícara de água
1 colher de sopa de açúcar
4 colheres de sopa de salsinha
1 ovo
300g de ricota
200g de queijo mussarela ralado
100g de queijo parmesão ralado
sal, pimenta e noz-moscada a gosto

Como fazer
Doure a carne, bacon, cebola e alho, em fogo médio até escurecerem, algo em torno de 10 minutos.
Adicione os tomates, extrato e água e misture gentilmente.
Adicione o açúcar, sal, pimenta e metade da salsinha. Tampe e cozinhe em fogo baixo por 1 hora.
Enquanto isso, misture a ricota, noz-moscada, ovo e a outra metade da salsinha.
Monte a lasanha nesta sequência: carne, massa, ricota, mussarela, parmesão, carne, massa, ricota, mussarela, parmesão, carne, parmesão.
Cubra com papel alumínio e asse em forno pré-aquecido a 180°C, por 25 minutos.
Retire o papel alumínio e asse por mais 25 minutos.


De volta às raízes...


quarta-feira, 15 de junho de 2011

Todo mundo tem um lado nerd!

Pois é, confesso que talvez eu tenha um lado nerd um pouco grande... Sempre me pergunto o por quê das coisas, tanto das que gosto como daquelas que tenho medo, e só sossego quando entendo! 

Um exemplo longe da gastronomia: aviões. Talvez pelo meu medo extremo de voar, li muito a respeito de aviação, segurança e até a história dos desastres aéreos. O resultado? Hoje tenho menos medo e consigo não passar vergonha dentro das aeronaves!

Mas, se com aviões a motivação era o medo, na gastronomia ela é completamente outra: curiosidade.  Curiosidade para entender como funciona a cocção dos ovos; por quê o leite transborda e as massas grudam; etc... Essas, e várias outras perguntas, foram respondidas pelo livro O Cozinheiro Cientista, dos biólogos Diego Glomobek e Pablo Schwarzbaum, numa linguagem leve, casual e muito direta:


"O alquimista é expert em saber muito facilmente se o ovo recém-cozido está duro ou não: fazendo-o girar de lado sobre a mesa. Se ele girar rápido é porque está bem duro; se for difícil, e ele ficar meio molenga, ainda está cru (as partes moles se opõem ao movimento, girando por si). De passagem, uma vez que saibamos que o ovo está duro, convém tirar a casca enquanto ele está quente (é melhor do que tirá-la sob água corrente fria). Convém começar a quebrá-la pela extremidade mais larga (onde está o ar), que é mais fácil."


Gostou? Está disponível no Submarino



Para aquecer a alma...

As comemorações juninas chegaram! Muito milho, canjica e pinhão! Barraquinhas de quitutes, bebidinhas e brincadeiras! Uma delícia! Então, para trazer o clima aqui pra casa, resolvi começar com o vinho quente... 

Mas, na falta de uma receita que me agradasse, criei a minha versão. Ela não leva laranja, nem maçã, nem qualquer fruta. Muito menos cravo ou anis estrelado, que roubam totalmente a cena. Leva açúcar e baunilha, com um toque de canela. Fica suave, saboroso e aromático na medida certa... 




Vinho Quente com Baunilha

Ingredientes
1 garrafa de vinho Merlot ou Syrah
2 pauzinhos de canela
2 favas de baunilha, abertas
3 colheres de açúcar
1 colher de açúcar de baunilha

Como fazer
Misture todos os ingredientes e leve à fervura.
Abaixe o fogo para o mínimo e desligue após 10 minutos.
Sirva quente.



terça-feira, 14 de junho de 2011

Um bom chalé e comfort food...

Não costumo fazer resoluções de ano-novo. Mas bem que poderia ter feito uma este ano: descobrir lugares charmosos no interior de São Paulo. Acho que já virou uma mania... Venho pesquisando bastante, anotando dicas, pedindo sugestões... E testando quando dá... 

E nesse último final de semana, romântico que só, foi a vez da Pousada 4 Luas, distante apenas 50km de São Paulo! Com 7 chalés, um diferente do outro, muito verde e vários lagos, é um charme! 


Se fosse só isso, já estaria ótimo! Mas, felizmente, não é... O chalé parecia de cinema! Todo de vidro, no meio da floresta, com uma cachoeira caindo sobre o lago, bem na frente! Isso sem falar da lareira, das velas... 


E o mais importante, a comida. Com o conceito de comfort food, as massas eram simplesmente divinas! Me apaixonei pelos tortellis: figo com presunto parma, brie com pêras, queijo gruyère... E para quem decidir ir ainda no inverno, tem um fondue de queijo delicioso! 

E o café da manhã, que sempre me chama a atenção (é a minha refeição favorita), na pousada vai até as 12h... perfeito para um final de semana romântico, na preguiça!


Pousada 4 Luas
www.pousada4luas.com.br
Rodovia Fernão Dias, km 52 
Atibaia-SP 





Inspiração oriental

Nunca fui muito fã de frango. Peito então, raramente tenho em casa. Mas não por não gostar, só acho sem graça. Por isso, sempre fico quebrando a cabeça para fazer um frango gostoso, com sabor. Esse, com inspiração oriental, foi uma dessas experiências bem sucedidas. 

Comecei a fazê-lo e as ideias foram surgindo. Primeiro, resolvi cortá-lo em cubos. Depois enquanto grelhava já estava pensando em molho de tomate, vinho tinto e em algo a mais que poderia acrescentar para deixá-lo interessante. Quando dei de cara com o potinho de mango chutney na despensa, foi como uma lâmpada ascendendo! Daí para o resto, foi um pulinho...

Para finalizar, ao invés de fazer um arroz branco, servi somente ele, num bowl fundo e com hashi (aqueles pauzinhos orientais). Ficou um jantar relaxado, mas cheio de sabor...




Frango Oriental

Ingredientes
4 peitos de frango, cortados em cubos
1/2 cebola picada
1/2 lata de extrato de tomate
50ml de vinho tinto
4 colheres de sopa mango chutney
2 colheres de sopa de maionese
1 colher de sopa de creme de leite
sal, pimenta e azeite a gosto

Como fazer
Doure os cubos de frango junto com a cebola no azeite.
Acrescente o extrato de tomate e o vinho e espere ferver.
Abaixe o fogo e cozinhe por 15 minutos, ou até engrossar.
Acrescente o mango chutney, sal e pimenta e cozinhe mais 5 minutos.
Desligue o fogo, misture a maionese aos poucos e por último o creme de leite.
Decore com salsinha.



segunda-feira, 13 de junho de 2011

Receita copiada, com prazer!

Estava com um pote de amêndoas em lascas na geladeira, prestes a fazer aniversário. Usei um pouquinho para um peixe, outro pouquinho para uma salada. Mas mais da metade ainda estava lá... Quebrei a cabeça, mas não achei nada que me desse vontade de usá-las...

Até ver a receita de Bolo de Amêndoas, no blog Bouquet Garni, da querida Carol. Na hora fiquei determinada a reproduzi-lo em casa. Hoje consegui, e minha determinação foi recompensada, o bolo é simplesmente divino!

Com a devida autorização da autora, segue a receita na íntegra...




Bolo de Amêndoas
Ingredientes

1 xic de manteiga
1 xic água
2 xic farinha
2 xic açúcar
1 col chá fermento
1 1/2 col chá de extrato de amêndoas
1/2 xic creme de leite fresco
2 ovos inteiros
1 xic de lâminas de amêndoas
canela a gosto

Como fazer
Pré-aqueça o forno a 180ºC.
Em uma panela pequena, misture a manteiga e a água, deixe ferver.
Enquanto a água é aquecida para ferver, adicione a farinha e o açúcar em um
recipiente resistente ao calor.
Após ferver, adicione a água à mistura da farinha e incorpore bem.
Adicione o fermento, o extrato de amêndoa e o creme de leite.
Misture os ovos e mexa bem.
Deite em uma assadeira untada, cubra com as lâminas de amêndoa e
leve para assar cerca de 20-25 minutos ou até que o palito saia limpo (teste do palito).
Deixe esfriar e cubra com canela peneirada por cima.

Obs.: como somos só em dois aqui em casa, fiz metade da receita e assei em uma forma de bolo inglês.


A segunda-feira tem outro gosto, com um bolo desses...



Clos de Tapas: espanhol chique

Comida estrelada, dos discípulos de Ferrán Adriá, no meio da Vila Nova Conceição. Perfeito para um jantar comemoração, o Clos de Tapas surpreende do começo ao fim. 

Sensação desde sua abertura, em janeiro, o restaurante vive cheio. Pudera, com pratos em porções pequenas, para provar várias opções, fiquei sem saber o que escolher. Então, fomos de menu degustação!

E foi uma surpresa atrás da outra... Começou com um crocante de arroz, creme de feijão e farofa de couve, carinhosamente apelidada de "prato feito". Ervas aromáticas com névoa de gelo seco foram colocadas na mesa, para dar o clima de bosque à deliciosa salada. O ceviche de robalo foi finalizado na mesa com uma sopinha roxa, graças à combinação de manjericão e cebola roxa.

A galinha caipira, ensopada no arroz, parecia feita em casa, ou seja, uma delícia! O creme de alho, em formato de gema de ovo (que quando estourada, derrama-se por tudo...) que acompanhou o filé foi inesquecível. E para finalizar, iceberg de rosas, sorvete de graviola e lichia.

Apesar de parecer bastante, com porções pequenas, saímos de lá satisfeitos na medida certa...


Clos de Tapas
Rua: Domingos Fernandes, 548 Vila Nova Conceição
www.closdetapas.com.br



sexta-feira, 10 de junho de 2011

Doce sexta-feira, com pudim de pão!

Achei essa receita no livro que comprei na viagem para New Orleans, e estava com um marcador de página nela faz tempo! Só tinha uma dúvida, que tipo de pão usar. Eles recomendam o brioche francês, mas eu queria fazer diferente...

Então, no último final de semana, quando comprei um pacote de pão integral de passas e canela, só tinha uma ideia na cabeça: que ele durasse até o final da semana para eu fazer pudim de pão! E não é que durou?

Numa dessas raras situações, consegui terminar a semana do jeitinho que tinha planejado... Bem doce!



Pudim de Pão de New Orleans

Ingredientes
1/2 pacote de pão em fatias, de sua preferência (eu usei passas e canela)
250ml de leite
2 ovos, batidos
1 xícara de açúcar
1 colher de sopa de extrato de baunilha
2 colheres de manteiga, derretida

Como fazer
Pré-aqueça o forno a 150°C.
Corte as fatias de pão em migalhas, sem a casca, e regue com o leite.
Quando estiver bem absorvido, adicione os ovos, açúcar e baunilha. Misture bem.
Coloque a manteiga em duas formas individuais e cubra com a mistura de pão.
Asse por aproximadamente 50 minutos.



Dia dos Namorados já começa de manhã...

Café da manhã. Já falei dele várias vezes por aqui e sei que vou continuar falando. Então, por quê não começar a comemorar o Dia dos Namorados cedo?

Minha sugestão é na Blés d'Or, boulangerie em Moema, super charmosa com uma variedade enorme de pães deliciosos. E aos sábados e domingos, o brunch tem mais de 70 itens.

O lugar é tão charmoso, que o buffet é servido sobre mesinhas antigas, com as gavetas abertas e os pães acomodados nelas.

Para ficar horas provando tudo, nas mesinhas da varanda, num sábado romântico...

Blés d'Or
Rua: Tuim, 653 Moema
http://www.blesdor.com.br/


quinta-feira, 9 de junho de 2011

Uma paleta de cordeiro derretendo, por favor...

Uma das minhas carnes favoritas é a de cordeiro. Acho o sabor único e se feito da forma certa, derrete de um jeito, que dá para comer de colher! E para minha alegria, no último sábado tive o prazer de comer um desses...

Bem temperado e assado por 4 horas sob supervisão constante, estava se desmanchando no prato (reparem a foto...).  Sorte que o cozinheiro não é ciumento e passou a receita...





Paleta de Cordeiro


Ingredientes
1 paleta de cordeiro precoce
2 limões
1 cabeça de alho
1 xícara de Molho Shoyu
1 cebola grande, cortada em pedaços grandes
1/2 garrafa de vinho branco
1/2 xícara de azeitonas pretas, sem caroço
sal

Como fazer
Dia 1
Lave a perna de cordeiro esfregando o limão até sair aquele cheiro forte característico do cordeiro cru.
Tempere com sal e esfregue o alho por toda a paleta (importante: coloque menos sal do que o habitual, pois o shoyu já é salgado e se não cuidar, acaba ficando salgado demais)
Regue os dois lados da paleta com o shoyu, acrescente a cebola e deixe descansar por meia hora.
Adicione o vinho branco e leve à geladeira para marinar de um dia para o outro.

Dia 2
Acrescente as azeitonas pretas, cubra com papel alumínio e leve ao forno baixo por 4 horas.
Uns 40 minutos antes de terminar o tempo, descubra a forma e aumente a temperatura.  
Estará pronto quando adquirir a aparência dourada da foto.


Dica:
É importante virar algumas vezes a paleta durante a marinada e enquanto estiver assando, sempre regando com o próprio molho.


Segundo o cozinheiro, o segredo desse prato é paciência...



RESULTADO SORTEIO DIA DOS NAMORADOS

Chegou ao fim mais um sorteio e é com enorme alegria que o Gourmandisme e a Viva!Experiências anunciam o ganhador do Sorteio do Dia dos Namorados:


PARABÉNS Cláudia! Curta muito o Dia dos Namorados com a Caixa Degustação! 


Para garantir a entrega até o final de semana, por favor, envie um email ainda hoje para gourmandisme@terra.com.br com o seu endereço e telefone de contato.




quarta-feira, 8 de junho de 2011

Creme chique para esperar o inverno

Segundo os grandes chefs de cozinha, os ingredientes respondem por 60% da qualidade de um prato. Eu, claro, assino embaixo. Por isso, estou sempre pesquisando sobre ingredientes, sejam eles novos, ou variações daqueles que já conhecemos. E para ambas as situações, a Casa Santa Luzia é a minha Disney World. 

Foi lá que achei o ingrediente da estação para esse creme: lentilhas. Mas não aquelas grandonas, que só  lembramos no ano-novo, como parceira fiel do arroz. A estrela aqui é a lentilha du Puy, variedade francesa, reconhecida por lá como a melhor do mundo. E até que poderia ser mesmo, pois por ser pequena e tenra, não perde seu formato quando cozida; além do sabor ser mais leve do que a tradicional. 

A receita, do chef Gordon Ramsay, pedia lagostins para acompanhar. Porém, achei essas mini vieiras e não resisti, adaptei a receita. Também diminui consideravelmente a quantidade de creme de leite indicada, afinal, o inverno ainda nem começou...



Creme de Lentilhas e Vieiras

Ingredientes
250g de lentilhas du Puy
1 cenoura, cortada em 4 pedaços
1 cebola, cortada em 4 pedaços
1 dente de alho, inteiro e descascado
1 bouquet garni (folha de louro, ramo de tomilho e ramo de salsa amarrados)
500ml de caldo de frutos do mar (ou legumes)
algumas gotas de azeite de trufas
50ml de creme de leite fresco
300g de vieiras pequenas
algumas pitadas de curry em pó
azeite, sal e pimenta a gosto

Como fazer
Creme de lentilhas
Coloque as lentilhas (não precisa deixar de molho antes) em uma panela com os legumes, alho e bouquet garni e cubra com água. Ferva e depois cozinhe em fogo médio por 15 minutos.
Escorra as lentilhas, jogue fora os legumes e demais temperos.
Bata em um processador ou liquidificador, com metade do caldo, até formar um purê.
Volte à panela e vá adicionando o restante do caldo, mexendo sempre.
Adicione o creme de leite e o azeite de trufas. Reserve.
Vieiras
Tempere-as com umas pitadas de curry, sal e pimenta.
Aqueça bem o azeite e frite as vieiras por 1 minutos, aproximadamente.

Montagem
Disponha as vieiras em um prato fundo, empilhadas.
Regue com o creme de lentilhas, ao redor.
Adicione algumas gotas de azeite para finalizar.


As cozinhas da Casa Cor

Com jogo do Brasil ontem à noite, não deu para escrever... Afinal, fenômeno é fenômeno! Mas agora, depois de um jogo bem mais ou menos, hora de voltar à realidade...

Já falei e reforço, a decoração anda de mãos dadas com a gastronomia. Afinal, não só queremos uma comida boa, bem apresentada, como adoramos degustá-la em um lugar legal, não é? Por isso, ontem fui dar uma espiadinha na Casa Cor, que está acontecendo no Jockey Club. Ver um pouco das tendências, do que os arquitetos estão imaginando para essa parte da casa que, claramente, é a minha favorita.

E minha surpresa foi grande. Nada daquelas cozinhas minimalistas, com uma chaleira sobre o fogão e mais nada. Pelo contrário: muita cor, diversão e toques pessoais. Tirei algumas fotos para ajudar a inspirar aquela mudança na sua cozinha, ainda que pequena...


Cozinhas compactas, coloridas e inspiradoras



Eletrodomésticos que dão toda a graça



Banquetas que mudam a cozinha



Elas... as panelas!



Detalhes...



E depois de toda essa maratona, sugiro terminar com um almoço ou jantar no Restaurante Limonn, dentro da Casa Cor. Escolhi o Raviolini de Linguiça Toscana, simplesmente perfeito!

Se inspirou...?