sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Frutos do mar no coração de Paris!

Sempre achei que o único lugar bom para comer frutos do mar era na beira da praia. Nenhuma cidade longe do mar poderia ter a mesma qualidade. Isso até conhecer o Le Bar à Huîtres.


Eles têm quatro casas em Paris: Saint German e Montparnasse na Rive Gauche; e Places de Vogues e Ternes na Rive Droite. Fui na filial de Saint German, aqui perto de casa. E comecei a ficar impressionada já com o menu... (sim, é um iPad)


Aí veio o couvert... Pãezinhos deliciosos, manteiga excelente e terrine de porco na latinha!


Mas, o principal ainda estava por vir... Prato de frutos do mar, com ostras, lagosta, lagostins, king crab e escargots, para duas pessoas!


Depois disso tudo não sobrou espaço para a sobremesa, mas valeu muito a pena!


Le Bar à Huîtres
33 Rue Saint-Jacques
Metrô Cluny-La Sorbonne

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Domingo no Mercado de Pulgas

Para quem gosta de fuçar "achados" em feirinhas de rua em cada lugar que vai, o Mercado de Pulgas de Paris é destino obrigatório! São mais de 2.500 bancas/lojas em uma área de 11km! Passei um domingo por lá, de olho em artigos para a cozinha...

Por ser muito grande, o mercado é dividido em vários pequenos mercadinhos:


O meu favorito é o Vernaison.



Ele é o mais charmoso, com flores por todo lado, barracas fofas e produtos muito interessantes!!!



Lá tem de tudo! Balanças antigas...


Porcelana de Limoges...


Jogo de prata Christofle...


Bules e panelinhas fofas...


E até mala para piquenique!



No final, depois de tanta coisa, tenho certeza que vai bater a fome. Minha sugestão é o Café Le Voltaire:



Escolhi um dos pratos clássicos de comida de bistrô: Saucisse de Toulouse & purée maison (linguiça com purê de batatas), por 12,50 euros!



Marché aux Puces
Port de Clignancourt (última estação da linha 4 do metrô)
Sábado, Domingo e Segunda
08:30 às 17h




sexta-feira, 24 de agosto de 2012

A rua dos restaurantes orientais em Paris

Rue Sainte-Anne, a rua dos restaurantes orientais. Desde que fiquei sabendo dessa rua, estava curiosa! Gosto muito de comida japonesa, chinesa e coreana, então, tive que testar!


Ela é uma graça! Com restaurantes colados um do lado do outro!


Como a idéia era fugir do clássico sushi/sashimi e provar novos pratos, o restaurante escolhido foi o Hokkaido. Especializado em pratos quentes!


Guioza para começar...


Yakissoba na sequência!


E um arroz oriental para acompanhar...


Pois é... Comi demais! Um prato melhor do que o outro! Mas para falar a verdade, não vejo a hora de voltar lá!


Hokkaido
14 Rue Chabanais (esquina com a Rue Sainte-Anne)
metrô Pyramides



terça-feira, 21 de agosto de 2012

Onde comprar artigos para cozinha em Paris

Para o primeiro post da volta, resolvi falar um pouquinho mais da cidade. Como toda cidade grande, Paris tem regiões específicas. Uma das que mais gosto é a de artigos para cozinha. Ela fica ao redor do metrô Étienne Marcel.  Logo que sair do metrô você já vai se deparar com várias lojas, tente controlar a vontade, vai valer a pena!

A loja mais tradicional da região, e o foco da visita, é a E.Dehillerin. Centenária, ela é voltada para os profissionais da gastronomia, com tudo que você possa imaginar de clássico ou moderno.


Mas como se os produtos não fossem suficiente, a loja em si é uma atração. Super antiga, nunca foi reformada. 


Corredores estreitos.


Panelas de todos os tamanhos.


Até balança antiga encostada no canto...


E se quiser consultar o catálogo, fique à vontade, é só folhear...


Minha aquisição? Um chinoix gigante! Essa peneira super fina é muito popular na França e usamos bastante na escola. Meu molhos nunca mais serão os mesmos!



E.Dehillerin
18 Rue Coquillière
Metrô Étienne Marcel


sexta-feira, 17 de agosto de 2012

A clássica torta francesa, mas com bananas

Franceses adoram tortas! Seja de morangos, frutas de verão, frutas de inverno, maçãs, pêssegos, etc... A base é sempre a mesma, pâte sucrée (massa para tortas doce). O recheio é que vai mudando de acordo com as estações ou a vontade do doceiro...

Só um recheio que ainda não vi por lá... Bananas! Talvez pelo fato de as bananas francesas não terem o mesmo sabor que as nossas daqui. Ou porque eles não gostam mesmo. Não sei. A verdade é que já estava há um bom tempo querendo fazer uma torta com a pâte sucrée, um pote de doce de leite com chocolate que achei por lá e as nossas bananas

Enfim ela saiu...



Tarte aux bananes

Ingredientes
Pâte Sucrée (massa doce)
100g de açúcar de confeiteiro
100g de manteiga, gelada e em pedaços
raspas de limão
pitada de sal
3 gemas
200g de farinha de trigo

Compota de Bananas
6 bananas, em rodelas
suco de 1 limão siciliano
2 colheres de chá de extrato de baunilha
100ml de maple syrup

1 pote de doce de leite (utilizei um com chocolate) 

Como fazer

Pâte Sucrée (massa doce)
Bata o açúcar, manteiga, raspas de limão e sal.
Adicione as gemas, uma a uma.
Aos poucos, adicione a farinha.
Bata por 5 minutos até formar uma massa uniforme e sem pedaços de manteiga.
Forme uma bola, passe em filme e achate até ficar no formato de um disco (foto abaixo) e leve ao refrigerador por 20 minutos.






*Isso vai permitir que a massa resfrie de forma homogênea.

Compota de Bananas
Cozinhe todos os ingredientes em fogo baixo até cozinhar a banana. Reserve.



Montagem
Abra a massa com um rolo e coloque-a sobre uma forma para torta untada.
Aperte bem o fundo e as laterais.
Cubra com papel e feijões e asse por 20 minutos.
Retire do forno, coloque o doce de leite e as bananas e volte por mais 25 minutos.
Espere esfriar para desenformar.


Bom, esse é o último post das "férias brasileiras". Hoje já volto para a França e semana que vem os posts continuam de lá... Au revoir!

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Peixe Meunière: o prato que converteu Julia Child

Hoje a lendária Julia Child (para quem ainda não conhece, corre assistir o filme Julie & Julia) completaria 100 anos de vida. E, como uma pequena homenagem, resolvi preparar o prato que ela adorava dizer que a "converteu" de uma pessoa que simplesmente amava comer a alguém que amava cozinhar: o peixe meunière.

Meunière traduz-se como "esposa do Miller" para o português. Mas, preparar algo à la meunière significa passar em farinha de trigo e fritar em manteiga clarificada.  

Apenas por curiosidade, Julia Child experimentou este prato no ano de 1948, no restaurante La Couronne, durante sua primeira visita à cidade de Rouen, na região da Normandia na França.



Peixe Meunière

Ingredientes
peixe
2 filés de linguado ou pescada branca, cortados em 3 pedaços
100g de manteiga para clarificar
100g de farinha de trigo
sal e pimenta branca moída na hora

molho
100g de manteiga
suco de meio limão siciliano

Como fazer
peixe
Derreta 100g de manteiga em fogo muito baixo, sem mexer, até os sólidos do leite se separarem dos líquidos (foto ao lado).
Isso levarará aproximadamente 30 minutos.
Retire com uma escumadeira as partes brancas da superfície. Passe o líquido para uma frigideira.
Prepare os peixes temperando com sal e pimenta e passando na farinha.
Doure os peixes, de ambos os lados, na manteiga clarificada bem quente. Reserve.

molho
Descarte a manteiga que ficou na frigideira e derreta mais 100g.
Quando começar a dourar adicione o suco de limão.
Regue imediatamente os peixes com o molho e sirva.



Minhas alterações
1 - originariamente, o peixe é frito inteiro, sendo separado em filés na mesa, pelo garçon.
2 - o acompanhamento tradicional são batatas cozidas. Para "abrasileirar" eu usei mandioquinhas.


segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Gnocchi à la parisienne

Está na hora de falar a verdade. Os franceses ignoram qualquer cultura gastronômica que o resto do mundo possa ter, principalmente os italianos. Usar azeite de oliva para cozinhar, por exemplo, só se o chef for da Provence e utilizar o produto de lá.

Inclusive, já ouvi de alguns chefs que a manteiga é mais saudável do que o azeite de oliva, pois contém 50% de água e 50% de gordura. Sendo que o azeite tem 100% de gordura. Esquecem apenas do detalhe que uma gordura é animal e a outra vegetal... Mas tudo bem!

Mesmo com o preconceito e o olhar de superioridade para as outras cozinhas, eles acabam vez ou outra assimilando um prato. O gnocchi de hoje é um exemplo. Adotaram, mudaram totalmente a forma de fazer, deram um nome francês e hoje vendem em quase todo bistrô de Paris. 

Essa é quase a receita tradicional. Mudei o Molho Mornay (que leva duas gemas no final) por um mais simples Béchamel; e adicionei pequenos pedaços de bacon dourado em azeite na finalização (tudo pelo sabor). Como o procedimento é muito diferente do que conhecemos por aqui, tirei fotos do passo-a-passo. Bon Appétit!


Gnocchi à la parisienne

Ingredientes
Pâte à Choux (massa)
250ml de água
60g de manteiga
pitada de sal
125g de farinha
4 ovos

Molho Béchamel
50g de manteiga
50g de farinha
500ml de leite gelado
noz moscada ralada na hora
pimenta Cayenne em pó
sal

Finalização
100g de bacon cortado em fatias finas e dourados em azeite
150g de queijo Gruyère ralado na hora


Como fazer
Molho Béchamel
Derreta a manteiga em fogo médio e acrescente a farinha.
Misture bem e cozinhe por 3 ou 4 minutos, sem deixar ganhar cor.
Acrescente aos poucos o leite gelado e misture bem (um fouet ajuda muito agora).
Deixe levantar fervura, abaixe o fogo e tempere com sal, noz moscada e pimenta cayenne.
Reserve tampado próximo a uma fonte de calor.

Pâte à Choux (massa)

Ferva a água com a manteiga e o sal.



Abaixe o fogo e adicione a farinha toda de uma vez. Misture bem até formar uma massa única.




Passe para um bowl e vá juntando os ovos aos poucos.




Coloque no saco de confeitar e reserve na geladeira por alguns minutos.




Para preparar, corte o bico e com uma faca vá cortando a massa sobre água fervente com sal. Retire da água com uma escumadeira e passe na água fria, para interromper o cozimento.




Monte o prato com uma porção de molho béchamel seguida de todos os gnocchis.



Cubra com metade do queijo ralado e o bacon.


Finalize com molho béchamel e o restante do queijo ralado.



Leve ao forno para gratinar por 20-30 minutos... e voilà!!!




Fica perfeito também em pequenas porções individuais!!!


quinta-feira, 9 de agosto de 2012

O caminho para a Le Cordon Bleu...

Queridos leitores, rápido e singelo pedido de desculpas pela ausência. O motivo foi nobre: com o fim das aulas, minha mãe veio passar 10 dias aqui comigo! Paris foi pequena para tanta coisa que fizemos! Mas, voltando ao blog... 

Como já havia falado lá no primeiro post sobre Paris, moro no 15˚ arrondissement, um bairro bem parisiense, sem nenhum turista. O que significa lugares autênticos e super charmosos. No dia da minha  formatura do primeiro módulo, 27 de julho, fiz meu caminho para a escola bem devagar... Reparando em tudo, cada detalhe, cada loja, cada lugarzinho especial. E bati várias fotos. 

No meu caminho tem loja de foie gras...


Loja de mel do ladinho da loja de queijos...


Frutaria...


Loja de cafés e chás...


Peixaria...


Boutique de doces...


A padaria...


E supermercado para comprar o que faltar...



A conclusão disso tudo? Os franceses levam a comida muito a sério! Não se importam em passar por várias lojas pequenas, se isso significar ter o melhor produto em casa. Comer bem é essencial!

E com tantos lugares charmosos ao redor, é fácil, né?


Bom, agora estou de volta à São Paulo pelas próximas duas semanas! Mas nada de descansar, já estou com uma lista de pratos deliciosamente franceses para por em prática as novas técnicas aprendidas! Preparem-se...